#indústria #inovação #materiais #pranchas #equipamentos 
Santa Barbara - Califórnia - Estados Unidos

Uma Prancha Produzida por um Cientista de Foguetes

Mark Anders - Popular Science

Edison Conner, um ex-cientista de foguetes da SpaceX e co-fundador da Varial Surf Tecnology, tentou durante anos criar uma prancha resistente a partir de materiais da indústria aeroespacial.

A seus olhos, a indústria de pranchas está pronta para a evolução. As indústrias se agarraram a um método de fabricação por mais de 50 anos. Para dar força e flexibilidade, eles criaram uma coluna vertebral com uma lâmina de madeira (conhecida como longarina) e a colou em uma espuma de poliuretano. O conjunto então é lixado e envolto em fibra de vidro e resina.

Conner e os outros engenheiros da Varial tentaram algo diferente. Eles substituíram a longarina de madeira por uma espuma ultra rígida semelhante ao tipo utilizado nas pás de rotores de helicópteros e em sistemas de foguete de propulsão mista. A espuma é 30 por cento mais forte, com sete vezes a rigidez de espuma convencional. Também é 25 por cento mais leve. Isso significa que os surfistas têm uma prancha que é mais fácil de controlar e mais durável.

Os químicos da Varial alteraram os polímeros da espuma, produzindo níveis elevados de cristalinidade. A espuma cristalizada consiste de cadeias de polímeros estruturados como uma grade e rígidos. A cristalização também deixa as paredes celulares mais finas. Isso permite que os químicos embalem mais células em uma estrutura de célula mais apertada, mais-angular (ou poligonal). A estrutura é mais forte e mais firme do que a estrutura celular mais solta e com um formato de bolhas de espuma de poliuretano convencional.

Além da resistência e durabilidade, as novas pranchas têm mais ação (ou flutuação) na água. "Eles são ultra leves, o que eu adoro em ondas menores", diz o surfista profissional Shane Dorian, que ganhou o prêmio Onda do Ano do Billabong XXL de 2015. "Noventa por cento das vezes, eu estou surfando em ondas de 1 metro e meio ou menores, de modo que a capacidade de resposta das pranchas leves é incrível."

Este artigo foi originalmente publicado em agosto de 2015 na revista Popular Science, com o título "Uma prancha feita por um cientista de foguetes".

Comentários

Galerias | Mais Galerias