#amador #competições 
Brasil

O Billabong Brasileiro de Surf CBS vai começar

Chico Padilha

Praia do Futuro, Fortaleza, Ceará, é a largada rumo a Mundial Júnior, Jogos Mundiais de Surf e sete títulos da CBS, um deles de seleção

O que, além do estado de origem, une os potiguares Joca Júnior e John Max? os cariocas Vitor Ribas e Gustavo Fernandes ? os pernambucanos Paulo Moura e Monike Santos?, os paulistas Adriano de Sousa e Filipe Toledo? os cearenses Fábio Silva e Estefany Freitas? os paraibanos Fábio Gouveia e Elivelton Santos? os catarinenses Neco Padaratz e João Paulo Abreu? os paranaenses Peterson Rosa e Nathalie Martins?

Todos, separados por muitos anos, integram à galeria de campeões da Confederação Brasileira de Surf (CBS), e os mais novos de cada dupla almejam chegar à mesma elite mundial da qual os primeiros citados já fizeram ou fazem parte, caso do ex-bicampeão Iniciante da CBS Adriano de Sousa, o Mineirinho.

Dos mais novos citados, alguns já saíram das categorias do Mundial Júnior, aquelas abaixo de dezoito anos, mas outros, a exemplo dos atuais campeões Filipe Toledo (Júnior), Estefany Freitas (Open) e Elivelton Santos (Iniciante) representam a renovação forte do surf nacional que vai estar em busca de vagas ao Mundial JISA no Peru, que possui categoria Júnior Mirim e nela disputa por vagas bastante aberta pois seu campeão Deivid Silva foi o vice de Toledo na Júnior, e vice versa.

Na Feminina Sub-18, a vantagem de 1000 pontos é de quem é de Vila Velha, Espírito Santo, a capixaba Bárbara Segatto, que há pouco tempo mudou para a Austrália e não está certa para defender mais uma vez seu estado de sexta-feira até domingo na etapa inaugural do Billabong Brasileiro de Surf CBS, de seis categorias em disputa na Praia do Futuro, Fortaleza, Ceará.

O anfitrião já fez apresentação da sua seleção, Amélio Júnior, vice-presidente da Federação Cearense de Surf (FCS), confirmou no entanto que no feminino da seleção alencarina a titular Open é a experiente campeã Rhafaela Bahia e na Júnior é Juliana Sousa, a Jujú, sendo Estefany Freitas escalada como alternate a exemplo de Nayara Silva, quando então pontuarão apenas individualmente.

Pipeline e pioneirismo

O engenheiro cearense Odalto Castro, é hoje um ativo competidor da categoria Master, porém foi há mais de duas décadas que, um dia de treinos, lhe deu reconhecimento internacional.

Ao surfar grandes ondas na perigosa praia de Pipeline, em Oahu, Havaí, Odalto se tornou o primeiro brasileiro a figurar na capa da principal publicação mundial de surf, a Revista norte-americana Surfing.

Em 1987, ao realizar um evento brasileiro exclusivamente amador, o então surfista profissional e fabricante de pranchas mostrou a viabilidade de provas voltadas para o futuro do surf brasileiro, e reuniu no estado à então nova geração brasileira que faria sucesso e traria o Bronze no início do ano seguinte em Porto Rico, quando o Mundial da International Surfing Association (ISA) lá voltou e viu à vitória do brasileiro Fábio Gouveia, vinte anos após a conquista lá do título mundial pelo hoje senador pelo Havaí Fred Hemmings, em 1968, trinta e dois anos antes do Brasil conseguir o ouro da ISA no Mundial no Brasil, e com dupla vitória Open brasileira através dos cearenses Fábio Silva e Tita Tavares.

Volta

Dos que estiveram em 1987 no Ceará, Jordão Bailo Júnior, catarinense há época árbitro e hoje coordenador deles, Zé Paulo Ferreira, paulista então competidor e atualmente no marketing do esporte, são alguns dos nomes que voltam ao Ceará, onde o surf se tornou referência e tem entre expoentes Silvana Lima, quarta da elite mundial e maior vencedora brasileira, atleta patrocinada pela mesma Billabong que assina o Brasileiro de surf da CBS.

Foi também com o patrocínio da Billabong que o seu então atleta Pablo Paulino faturou na Austrália dois títulos Mundiais Sub-20, isso depois de ter disputado, a partir do Ceará, tanto à pioneira edição 2003 do Mundial Júnior da ISA quanto aos circuitos da Confederação, como farão esta semana conterrâneos como Rafael Venuto, a exemplo dele cria das ondas do Titanzinho, comunidade carente de Fortaleza que se mantém um dos celeiros de talentos do surf cearense, entre eles Juliana Sousa, a Jujú, precoce surfista Júnior da seleção do Ceará, do Brasil

, essa semana, novamente anfitrião.

Seleções

A disputa entre seleções envolve dois tamanhos possíveis de times, mas na prática o formato B é o adotado em geral nos últimos anos.

A opção B tem oito atletas marcando pontos para cada estado, um surfista e uma surfista Open, dois e uma na Juniores, dois na Mirim e um na Iniciantes, respectivamente de limite de idade aberto, abaixo de dezoito, dezesseis e quatorze anos, formato que vem dando sucessivas vitórias a São Paulo desde 2008, quando sucedeu o Rio Grande do Norte, que então abrira à temporada campeã vencendo à primeira de quatro etapas, número que se repete em 2011 com o primeiro anfitrião Ceará querendo não apenas ser o estado dos atuais campeões brasileiros Open Estefany Freitas e Gutembergue Silva, mas também ao título que ainda não possui na sua rica galeria e, a exemplo das demais seleções, vai em busca de largar com vitória.

A CBS, a frente Adalvo Argolo, e a Federação Cearense de Surf, presidida por Romero Jucah sendo vice Amélio Júnior, confirmaram como as melhores opções de hospedagem para as delegações o Hotel Marbello Ariaú e a Pousada Bellomar Ariaú, que possuem categoria e preços distintos além da qualidade e chancela do Grupo Ariaú, do qual também faz parte exótico hotel em plena floresta amazônica.

O Billabong Brasileiro de Surf, com Nixon, Vonzipper, Dakine e Xcel, é o circuito oficial da Confederação Brasileira de Surf (CBS), em sua etapa inaugural 2011 tendo parceria com a Federação Cearense de Surf (FCS), patrocínio Governo do Estado do Ceará e apoio Prefeitura de Fortaleza, Marbello Ariaú e Bellomar Ariaú, sendo a transmissão pelo site www.cbsurf.org.br .

Galerias | Mais Galerias