#panamericano #competições 

Mar forte e ondas pesadas traz emoção ao Brasileiro de Salvamento Aquático

Miguel Brusell

O mar forte, com ondas pesadas foi o ingrediente a mais de emoção da prova

O mar forte, com ondas pesadas foi o ingrediente a mais de emoção da prova

de duatlhon do X Campeonato Brasileiro, VII Sul-americano e II

Pan-americano de Salvamento Aquático que aconteceu hoje (17) pela manhã,

na Praia de Armação, em Salvador. A tarde, as emoções foram transferidas

para a piscina do Clube dos Oficias da Polícia Militar, no Bairro dos

Dendezeiros, na Cidade Baixa da Capital do Estado.

No mar, o atual campeão baiano de triatlhon e integrante do quadro do

Salvamar, Fred Lima não deu chances aos adversários, vencendo a prova de

ponta a ponta. “Já venho participando dos campeonatos Sul-americanos de

Salvamento Aquático e sempre treinando para o triatlhon, já que estou

entre os dez melhore do Brasil, na Elite. Hoje foi uma vitória não só

minha, mas de todo o Salvamar da Bahia e estou muito feliz por isso”,

comentou o vencedor.

Fred se emocionou bastante com a vitória em casa e com apoio da torcida.

Uma vitória é sempre importante. Quando estou competindo aqui na Bahia, a

motivação é maior, devido ao apoio da torcida. Depois deste resultado, com

certeza estou de olho no título de Guarda Vidas de Ferro. Já conquistei

uma vez, em Pernambuco, e agora quero vencer, dentro de casa, com apoio da

torcida”, concluiu o representante do Salvamar da Prefeitura de Salvador.

Pela parte da tarde, o comboio de Guarda Vidas rumou para o Clube dos

Oficias da Polícia Militar, no Bairro dos Dendezeiros, na Cidade Baixa. Lá

aconteceu a disputa de uma prova em que o Guarda Vida tem que atravessar

nadando 25 metros da piscina, mergulhar, resgatar um manequim chumbado a

1,40 metros de profundidade e voltar os 25 metros arrastando o manequim,

sem deixar afundar e nem submergir.

Amanhã, a competição volta para a Praia de Armação, onde acontecem as

provas de resgate - na qual o Guarda Vidas atravessa a arrebentação,

passa uma bóia chamada de rescue tube por uma vítima fictícia e depois

traz de volta para a praia – e, em seguida, a Corrida ao Pé de Pato, na

qual o vencedor vai disputar 15 tiros na areia fofa, com o último colocado

ficando sem pé de pato e sendo desclassificado, numa espécie de dança das

cadeiras.

No Dendezeiros, mais uma vez, o Major Morato, do Corpo de Bombeiros de

Brasília confirmou o desejo do Distrito Federal de ser a próxima sede dos

jogos. “Vamos fazer de tudo para levar a prova que vem para Brasília. Será

bem diferente das outras realizadas até hoje. Será em água doce, parada,

no Lago Paranoá. Um lago muito bonito e que apresenta suas dificuldades

também”, revela o Major.