#profissional #mundial 
Ubatuba - São Paulo - Brasil

Kolohe Andino vence em final americana no SuperSurf

João Carvalho

Uma decisão norte-americana fechou o SuperSurf Internacional, o local Wiggolly Dantas dividiu o terceiro lugar com o pernambucano Halley Batista

Com apenas 17 anos de idade, Kolohe Andino faturou o prêmio de 20 mil dólares da vitória na etapa do ASP World 6-Star, no sábado de muita chuva na Praia de Itamambuca. O vice-campeão foi Tanner Gudauskas, 23 anos, que deixou o surfista local Wiggolly Dantas, 21, nas semifinais. O ubatubense dividiu o terceiro lugar com o pernambucano Halley Batista, 25, barrado pelo campeão Kolohe Andino.

“Estou muito feliz. Eu imaginava chegar nas quartas de final aqui, mas não esperava vencer, então estou muito feliz mesmo”, disse Kolohe Andino. “As condições do mar hoje (sábado), infelizmente, ficaram muito difíceis e acredito que tive sorte nas baterias para conseguir pegar boas ondas. Na final, eu comecei bem e depois fiquei administrando a vantagem, até porque não tinha muitas ondas”.

Na primeira que surfou, Kolohe começou com um aéreo “no hands” e mandou mais uma série de quatro batidas numa boa esquerda em Itamambuca. A nota 7,5 recebida foi a maior da bateria final. Tanner respondeu com um aéreo reverse, mas foi só na onda que valeu nota 5. Kolohe não demora a surfar uma direita que abre bem para ele aplicar uma sequência de batidas e rasgadas até o fim da onda que recebeu um 6,83 dos juízes.

Com estas duas notas, a nova sensação do surfe americano estabeleceu o placar da vitória por 14,33 x 11,33 pontos. A decisão do SuperSurf Internacional acabou valendo a 34.a posição no ranking que classifica os 32 primeiros para o ASP Dream Tour de 2012. Kolohe Andino ficou com os 3.500 pontos da vitória e Tanner Gudauskas subiu do 42.o para o 38.o lugar com os 2.640 pontos do vice-campeonato na Praia de Itamambuca.

“É um prazer para mim fazer uma final e dividir um pódio com o Tanner (Gudauskas), que é lá da Califórnia também como eu. É a primeira vez que eu venho aqui para Itamambuca, fiquei esta semana toda na casa do Guigui (Wiggolly Dantas) e até achei que a final seria com ele. Para nós, era improvável uma final americana aqui com tantos brasileiros bons, como o Halley (Batista) que estava se destacando nas ondas de hoje (sábado)”, falou o filho de um ex-competidor do ASP World Tour, Dino Andino.

BRASIL NAS SEMIFINAIS - Apenas três estrangeiros chegaram no sábado decisivo do SuperSurf Internacional, junto com nove brasileiros. O australiano Mitch Crews foi eliminado por Halley Batista na abertura das quartas de final, mas ninguém conseguiu parar os dois representantes dos Estados Unidos. Depois de duas grandes apresentações, o cometa Halley do Nordeste não achou as ondas contra Kolohe Andino na primeira semifinal.

“Infelizmente o mar baixou para as semifinais e a maré mais cheia dificultou meu posicionamento, mas foi feita a vontade de Deus”, disse Halley Batista. “O terceiro lugar também foi bom pra mim. Deu para subir posições no ranking e agora é buscar mais um bom resultado no Arpoador (semana que vem). Preciso disso pra atingir a meta que é ficar entre os 96 primeiros do ranking neste ano, para poder correr as etapas Prime no ano que vem”.

Depois, mesmo contando com toda a torcida da família que tem um comércio de alimentos em Itamambuca, Wiggolly Dantas não conseguiu impedir uma decisão americana na sua praia. “Não deu, o mar muito difícil, eu não consegui pegar as ondas boas no começo e perdi”, lamentou Dantas. “Mas, o terceiro lugar também é um bom resultado. Surfei bem à vontade, em casa, agora tem outros campeonatos importantes até o final do ano e vou treinar bastante para tentar subir ainda mais no ranking”.

Wiggolly Dantas saiu da 78.a para a 64.a posição no ranking mundial unificado da ASP, enquanto Halley Batista saltou de 189 para 128 com os 2.080 pontos do terceiro lugar no SuperSurf Internacional, que valeu um prêmio de 5.000 dólares. Derrotados nas quartas de final, os paulistas Thiago Camarão e Alex Ribeiro, o catarinense Tomas Hermes e o australiano Mitch Crews, receberam 2.850 dólares e 1.560 pontos pelo quinto lugar.

PERNA BRASILEIRA – A “perna brasileira” de fim de ano da ASP South America agora segue para o Rio de Janeiro, onde na terça-feira começa outra etapa com nível 6 estrelas de 145 mil dólares valendo 3.500 pontos no ranking mundial. O Quiksilver Brasil Open of Surfing vai até o próximo domingo na Praia do Arpoador, onde será definido o campeão sul-americano profissional da temporada 2011 no ASP South America Surf Series.

FINAL DO SUPERSURF INTERNACIONAL EM ITAMAMBUCA:

Campeão: Kolohe Andino (EUA) com 14,33 pontos – US$ 20.000 e 3.500 pontos

Vice-campeão: Tanner Gudauskas (EUA) com 11,13 – US$ 10.000 e 2.640 pontos

SEMIFINAIS – 3.o lugar – US$ 5.000 e 2.080 pontos:

1.a: Kolohe Andino (EUA) 13.84 x 10.87 Halley Batista (BRA)

2.a: Tanner Gudauskas (EUA) 11.83 x 9.84 Wiggolly Dantas (BRA)

QUARTAS DE FINAL – 5.o lugar – US$ 2.850 e 1.560 pontos:

1.a: Halley Batista (BRA) 15.00 x 12.26 Mitch Crews (AUS)

2.a: Kolohe Andino (EUA) 16.27 x 13.23 Thiago Camarão (BRA)

3.a: Wiggolly Dantas (BRA) 12.67 x 6.50 Tomas Hermes (BRA)

4.a: Tanner Gudauskas (EUA) 14.40 x 9.83 Alex Ribeiro (BRA)

QUINTA FASE – 12 melhores – 1.o e 2.o=Quartas de Final / 3.o=9.o lugar (US$ 2.400 e 920 pts):

1.a: 16.13=Halley Batista (BRA), 15.50=Kolohe Andino (EUA), 12.33=Junior Faria (BRA)

2.a: 15.27=Thiago Camarão (BRA), 10.83=Mitch Crews (AUS), 8.33=Rodrigo Dornelles (BRA)

3.a: 11.20=Wiggolly Dantas (BRA), 10.44=Alex Ribeiro (BRA), 8.80=Franklin Serpa (BRA)

4.a: 13.07=Tanner Gudauskas (EUA), 12.77=Tomas Hermes (BRA), 8.33=Jano Belo (BRA)

G-32 DO ASP WORLD RANKING – 40 etapas em 2011:

1.o: Kelly Slater (EUA) – 71.000 pontos

2.o: Jordy Smith (AFR) – 52.225

3.o: Owen Wright (AUS) – 50.900

4.o: Taj Burrow (AUS) – 45.070

5.o: Julian Wilson (AUS) – 44.156

6.o: Jeremy Flores (FRA) – 43.950

7.o: Joel Parkinson (AUS) – 43.457

8.o: Adriano de Souza (BRA) – 38.450

9.o: Gabriel Medina (BRA) – 36.620

10: Damien Hobgood (EUA) – 35.820

11: Michel Bourez (TAH) – 35.450

12: Mick Fanning (AUS) – 35.399

13: Alejo Muniz (BRA) – 35.199

14: Adrian Buchan (AUS) – 34.141

15: Josh Kerr (AUS) – 33.999

16: Heitor Alves (BRA) – 31.445

17: Bede Durbidge (AUS) – 29.763

18: Raoni Monteiro (BRA) – 27.845

19: Matt Wilkinson (AUS) – 27.650

20: Jadson André (BRA) – 25.640

21: Miguel Pupo (BRA) – 24.753

22: Patrick Gudauskas (EUA) – 24.270

23: Chris Davidson (AUS) – 23.708

24: Travis Logie (AFR) – 23.117

25: Taylor Knox (EUA) – 24.300

26: Dusty Payne (HAV) – 21.975

27: C. J. Hobgood (EUA) – 21.700

28: Kai Otton (AUS) – 21.650

29: Brett Simpson (EUA) – 21.600

30: Yadin Nicol (AUS) – 21.371

31: Kieren Perrow (AUS) – 20.900

32: Tiago Pires (PRT) – 20.516

———–próximos brasileiros:

40: Willian Cardoso (SC) – 18.393 pontos

41: Thiago Camarão (SP) – 18.118

42: Jessé Mendes (SP) – 17.982

49: Junior Faria (SP) – 14.461

52: Hizunomê Bettero (SP) – 12.965

58: Leonardo Neves (RJ) – 11.314

64: Wiggolly Dantas (SP) – 10.379

87: Tomas Hermes (SC) – 7.504

88: Jano Belo (PB) – 7.151

Galerias | Mais Galerias