#comportamento 

Inclusão eficiente no Titanzinho

Kelly Garcia - Diário do Nordeste

Esporte e oficinas para crianças, adolescentes e suas famílias têm modificado o cotidiano da Praia do Titanzinho

Surf, inglês, inclusão digital, maracatu e ainda oficinas de reciclagem para as mães. Na Praia do Titanzinho, na Associação dos Moradores do Serviluz, o Instituto Povo do Mar (Ipom) oferece todos esses cursos para crianças e adolescentes e suas famílias. Nesses dois anos que o Ipom atua naquela comunidade, já é possível vislumbrar os frutos.

Entre o alunos atendidos pela entidade, está o campeão brasileiro e nordestino de surf amador em sua categoria, o estudante Rafael Venuto dos Santos, de 14 anos. Surfista desde os oito anos, Rafael Venuto sonha com o grupo de elite do surf mundial, o World Championship Tour (WCT). Órfão de pai, o estudante do sétimo ano do Ensino Fundamental, mora com o tio, o monitor de surf, Carlos Alexandre e nota que até o seu desempenho na escola melhorou após as aulas de surfe. "Participar do Projeto mudou muitas coisas na minha vida. Aumentou a concentração e as minhas notas ficaram mais altas", explica.

De acordo com o vice-presidente do Ipom, o surfista Henrique Marinho, a instituição atende crianças de cinco a 17 anos, que residam na comunidade do Titanzinho e estudem em escolas públicas do bairro. Nestes dois anos, Henrique Marinho vê muitas transformações não só na realidade dessas famílias, mas nos próprios fundadores.

"Por mais que nós fôssemos acostumados em vir pra cá surfar há mais de dez anos, nós só tivemos conhecimento das dificuldades com o crack e a prostituição infantil, quando iniciamos as atividades. Aprendi muito e continuo aprendendo com a alegria e a lealdade dessas pessoas", diz.

A experiência de participar das aulas de surf tem sido tão boa para o estudante Damião dos Santos, de 12 anos, que ele já convidou dois amigos. "Eles estão gostando e foi aqui que eu aprendi a surfar".

Leilão

Nesta noite, a partir das 19 horas, o Ipom realiza seu segundo leilão beneficente, na sede da Casa Cor Ceará, na Praça Portugal. A intenção, de acordo com o vice-presidente da entidade, é superar os 20 mil reais arrecadados no ano passado.

Entre os objetos leiloados, estão pinturas e fotografias, além de pranchas de surf, uma delas autografada por grandes nomes do esporte e outras pelos beneficiados com o projeto. Entre os artistas que doaram suas obras, estão Totonho Laprovítera, Sergei de Castro e Rian Fontenele.

reportagem do Diário do Nordeste