#campanha #poluição #impacto 
Brasil

A Black Friday e o consumo consciente: surfe essa ideia

Críscia Cesconetto - Equipe Surfguru

Saiba como é possível colocar em prática o consumo consciente durante o mês da Black Friday

Chegou um dos momentos mais esperados do ano pra muitas pessoas, aquele em que podemos comprar grande parte das coisas por preços muito baixos e vemos promoções por todos os lados: a Black Friday.

Fala sério, é irresistível né? Pra muitos, sim.

A tentação de comprar coisas pelo preço mais barato possível, num país onde a inflação vive flutuando, os impostos são altos e o dólar tá caro, é bem grande. Dá pra compreender.

O problema é que muitas pessoas, encorajadas pelos grandes descontos, acabam comprando até o que não precisa. Essas promoções acabam incentivando um consumo excessivo e desnecessário, motivado muitas vezes apenas pelo sentimento de posse e não de necessidade ou bem-estar. 

Agora, imaginem a quantidade de lixo que é produzida, ainda mais considerando o contexto da pandemia da COVID-19, onde as pessoas começaram a comprar muito mais on-line, contribuindo com uma enorme produção (e descarte) de embalagens para transporte, além de aumentar a pegada de carbono devido, principalmente, ao aumento do transporte rodoviário desses produtos. 

Nesse mês nós viemos trazer aqui essa reflexão, e tentar explicar como esse hiperconsumismo desnecessário pode ser prejudicial para o planeta e, especialmente para os oceanos.

Entendendo o problema: vamos a alguns fatos

No mundo atualmente, segundo a International Solid Waste Association (Associação Internacional de Resíduos Sólidos) chegam aproximadamente 25 milhões de toneladas de resíduos nos oceanos por ano e a maior parte dele tem origem continental, seja da indústria, seja por falta de saneamento e falta de coleta de lixo em rios e praias, ou por causa da má gestão de resíduos pelas grandes cidades.

Já aqui no nosso país, de acordo com Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (ABRELPE) o Brasil colabora com pelo menos 2 milhões de toneladas do volume total de lixo oceânico (o equivalente à área de 7 mil campos de futebol – você consegue imaginar isso?). A grande maioria desse lixo é descartável, ou seja, é usada apenas uma vez e vai para o lixo. Aquilo que dura poucos minutos na sua mão, pode durar milhares de anos na natureza. 

Então isso tudo vai parar no mar... e sem muitas delongas, não precisamos ficar explanando aqui a quantidade de problemas que isso pode trazer, tanto para o ambiente marinho quanto para nós, direta e indiretamente. As consequências são drásticas, principalmente a longo prazo... morte e extinção de espécies, desequilíbrio ambiental, poluição química e física, etc... A gente só não quer que as pessoas percebam isso quando já for tarde demais. 

Além disso, quanto mais você compra, mais a demanda por certo produto ou serviço cresce, e mais dele é produzido. Ou seja, mais recursos naturais são explorados para fabricar produtos novos e repor os que foram vendidos. Sempre que compramos algo novo, toda uma cadeia de produção é iniciada e a poluição acontece, inevitavelmente. Sempre existirá uma taxa de emissão de carbono sendo liberada no ar, desde a criação, venda, transporte, uso e o descarte final de cada item, cada produto. Acaba que, mesmo com as grandes promoções e descontos da Black Friday, o custo ambiental é altíssimo.

Esse grande impacto ambiental é, notavelmente, consequência do nosso modelo atual de consumo, que tem se tornado cada vez mais inviável: nós humanos já consumimos 30% mais recursos naturais do que a capacidade que a Terra tem de se regenerar. É como se precisássemos de mais de 1 planeta Terra para atender as nossas necessidades báscias, como água, energia e alimento. O problema é que não existe um segundo planeta Terra.

Não podemos esperar chegar numa situação extremamente crítica para tomarmos as medias necessárias. A mudança de hábito se inicia em você, e por isso queremos trazer algumas dicas do que você pode fazer para evitar o consumismo desnecessário nesse mês. Se liga.

Como exercer o consumo consciente na Black Friday

Não só na vida, mas especialmente durante a Black Friday, faça-se algumas perguntas, e reflita sobre elas antes de tomar qualquer decisão de compra. E elas são bem simples. Vamos lá:

- Primeiro, por que comprar? É realmente necessário? Pare para refletir se você precisa realmente comprar certo produto ou serviço ou se está sendo apenas movido por um impulso momentâneo. Pense se não é possível, em vez de comprar algo novo, trocar, pegar emprestado, ou simplesmente reutilizar ou dar um propósito novo para algo que você já tenha.

- Consigo comprar localmente? Dê preferência para compras de produtos produzidos localmente, onde você mora, ou onde você estiver, e de preferência de pequenos produtores ou artesãos. A ideia aqui é diminuir o número de viagens ou o deslocamento que esse produto vai percorrer até chegar a você. Se esforce para, caso seja necessário adquirir algo, ao invés de fazer compra on-line, vá até uma loja e busque você mesmo.

- Você tem dinheiro pra isso? Se não tem, vai conseguir pagar a prazo? Muito brasileiros acabam entrando em montes de dívidas por causa de compras impulsivas durante esse período. Planeja-se e faça as contas pra que você não saia no prejuízo.

- Do que é feito? Quem está vendendo? Procure informações sobre as origens dos produtos, sua composição e sobre os compromissos que aquela empresa ou fornecedor tem com os cuidados com o meio ambiente. Verifique se há cuidado no uso dos recursos naturais, e também, se os funcionários são respeitados.

- Como usar? Faça que a vida útil daquilo que você compra seja estendida ao máximo possível. Dessa forma você economiza no bolso e ainda evita quaisquer impactos que estejam ligados a à fabricação, transporte e descarte de outros produtos.

- E por último, mas não menos importante, como descartar? Sim, é importante que mesmo antes de pensarmos em comprar alguma coisa, é sabermos como é feito o descarte daquilo corretamente. Evite produtos descartáveis e invista em qualidade e durabilidade. Reutilize o máximo possível antes de descartar ou doe para quem ainda possa utilizar.  Se isso não for mais possível, pesquise e faça o descarte adequado: veja se o material pode ser encaminhado para a reciclagem ou se necessita de descarte especial.

Ainda assim, eu preciso comprar algo. Qual a melhor solução, então?

Simples: compre apenas o que é necessário. Compre apenas o que você precisa. Não vemos problema algum em esperar chegar a Blalck Friday para comprar algo que esteja precisando, e também não há problemas em aproveitar os descontos para adquirir algo que você realmente necessita. Muito pelo contrário, se você precisa muito de algo, se aquilo for útil pra você e você tem certeza que você vai usar, melhor ainda, aproveite o desconto.

Compre produtos que tenham maior durabilidade, assim você não precisa ficar comprando com frequência. Isso implica em, provavelmente, você ter que pagar mais caro por certas coisas. O investimento pode ser grande de uma vez só, mas no longo prazo compensa. Compre produtos que são reutilizáveis. E, novamente, que tenham grande durabilidade. 

Consumo consciente não significa que você deve deixar de comprar, mas também é uma forma de perceber que cada compra ou aquisição traz junto com ela um impacto, seja ela positivo ou negativo, na economia, na sociedade ou no meio ambiente.

Sejá lá o que for, invista seus recursos com consciência, esteja no controle das suas escolhas e seja responsável quando for consumir algo. Questione-se sempre. O futuro começa agora.

Comentários

Galerias | Mais Galerias