#ecologia #estudos #equipamentos 
Reino Unido

Capturando a energia das ondas

Queen's University Belfast

Uma nova máquina gigante chamada 'Oyster' destinada a aproveitar o poder das ondas do mar e transformá-la em electricidade "verde" está sendo instalada no fundo do mar ao largo da costa do Atlântico Ilhas Orkney. No Outono de 2009, vai entrar em teste para comprovar se a sua tecnologia inovadora poderia levar a uma fonte comercial de energia renovável para uso nos litorais de todo o mundo.

Ao contrário de muitos outros dispositivos de energia de onda, Oyster usa a tecnologia para a transmissão hidráulica da força das ondas para o litoral, onde é então convertida em electricidade. "Uma característica chave é uma concepção de um oscilador amplo de 18 metros baseado na investigação fundamentada no Queen's University em Belfast, liderada pelo Professor Trevor Whittaker usando um tanque de ondas", explica o Dr. Ronan Doherty, Chefe do escritório técnico da Aquamarine Power de Edimburgo, empresa que desenvolveu o primeiro ' Oyster '.

O oscilador é equipado com pistões e, quando ativado pela ação das ondas, bombeia a água do mar com alta pressão através de um aqueduto submarino para a costa. Geradores hidrelétricos em terra convencionais convertem este alta pressão da água em energia elétrica.

"Toda a produção de electricidade a partir da energia das ondas é na terra" diz o Dr. Doherty, mas a tecnologia do 'Oyster' é altamente inovadora, pois baseia-se na simplicidade.

Seu componente marítimo é altamente confiável com o mínimo de peças móveis submersas - é a chave do seu sucesso quando operam em mares vulneráveis ao mau tempo em que a manutenção pode ser muito difícil. Não há gerador subaquático, parte eletrônica ou mecanismos subaquáticos a correr perigo. Todo o complexo equipamento de geração de energia elétrica permanece facilmente acessível em terra.

Oyster é projetado para ser implantado próximo a praia em lâminas d'água de 12 a 16 metros, beneficiando de mares com mais ondas e da estreita direção de propagação das ondas neste local. Qualquer excesso de energia é derramado sobre a parte superior do equipamento, a sua capacidade rotativa permite-lhe literalmente furar as ondas.

Os riscos ambientais associados ao dispositivo é minimizado utilizando apenas água como seu fluido hidráulico, ao invés de óleo, e não existem substâncias tóxicas envolvidas. Também o seu funcionamento é silencioso. Baseado em dados da Carbon Trust, cada Oyster evita que anualmente sejam liberadas na atmosfera até 500 toneladas de carbono.

Embora numa fase inicial de desenvolvimento, o conceito do Oyster pode ter um potencial significativo para o uso em muitos locais do mundo. Dr Doherty explica: "O nosso modelamento de computador aponta os litorais adequados para esta tecnologia, mostrando que a Espanha, Portugal, Irlanda e Reino Unido são os candidatos ideais da Europa. Mas, globalmente, existe uma ampla margem em áreas como a costa noroeste dos E.U.A. e ao largo da África do Sul, Austrália e Chile. Nós estimamos que o tamanho potencial do mercado poderiam ser superiores a 50 bilhões de libras".

Galerias | Mais Galerias