#competição #surf 
Sydney - Nova Gales do Sul - Austrália

Fioravanti e Carissa vencem no Sydney Surf Pro

João Carvalho

Italiano e havaiana vencem o Sydney Surf Pro Challenger Series. Leonardo Fioravanti bateu Matt Banting na decisão do título. Carissa Moore ganhou final de campeãs mundiais com Tyler Wright. Jadson André ficou em 5º lugar e Thiago Camarão em 9º.

Previsão Surfguru para Sydney - AUS

O italiano Leonardo Fioravanti e a havaiana Carissa Moore foram os campeões do primeiro Challenger Series de 10.000 pontos do ano na Austrália. Os dois impediram que os australianos fizessem a festa em casa novamente, como no QS 5000 de Newcastle.

Transmissão webcast das finais

Leonardo derrotou Matt Banting e Carissa ganhou o duelo de campeãs mundiais com Tyler Wright, nas decisões dos títulos do Sydney Surf Pro na sexta-feira de boas ondas de meio metro de altura em Manly Beach. Os australianos tiraram o Brasil da briga, com o potiguar Jadson André ficando em quinto lugar nas quartas de final e o paulista Thiago Camarão em nono nas oitavas de final.

2ª parte da transmissão webcast das finais

  

O segundo Challenger Series da temporada estava marcado para acontecer na próxima semana na Nova Zelândia, mas foi um dos eventos cancelados ou adiados pela World Surf League pela ameaça do Coronavírus. A determinação foi anunciada na quinta-feira, para todas as etapas que estavam marcadas para o restante do mês de março, incluindo a de abertura do Championship Tour na Gold Coast, que começaria no dia 26. Agora, todos retornam para suas casas, até um novo anúncio da WSL sobre os próximos eventos do mês de abril, como a segunda etapa do CT em Bells Beach, também na Austrália.

Dos dois brasileiros que competiram na sexta-feira em Manly Beach, o paulista Thiago Camarão não passou pelas oitavas de final, que abriram o último dia. Ele foi a primeira vítima do vice-campeão Matt Banting, que derrotou o brasileiro por 14,60 a 11,33 pontos e assumiu a liderança do WSL Qualifying Series com a passagem para as quartas de final. Mesmo assim, os 3.500 pontos do nono lugar, levaram Thiago Camarão da 43.a para a 17.a posição no ranking, se aproximando do grupo dos dez que se classificam para o CT.

Antes dele, o potiguar Jadson André já tinha despachado o japonês Shun Murakami com seu backhand funcionando bem nas direitas de Manly Beach. Ele foi aumentando a vantagem a cada ataque do japonês, somando notas 6,80 e 6,50 para vencer por 13,30 a 12,16 pontos. Nas quartas de final, Jadson fez mais uma ótima apresentação, usando a força nas manobras de borda para abrir grandes leques de água e os aéreos também. O potiguar ganhou notas 7,83 e 7,17 nas duas melhores, mas o australiano Ethan Ewing conseguiu virar o placar na última onda, que arrancou 9,43 dos juízes. Com ela, superou o brasileiro por 16,10 a 15,00 pontos.

NOVIDADES NO G-10 – Jadson foi um dos cinco surfistas que entraram no G-10 do QS no Challenger Series de Sydney. Ele e o australiano Liam O´Brien, que também perdeu nas quartas de final, subiram do 24.o para o sétimo lugar no ranking. O italiano Leonardo Fioravanti saiu de 329 para o terceiro lugar com os 10.000 pontos da vitória. Os outros foram o australiano Ryan Callinan (de 18.o para 5.o) e o norte-americano Michael Dunphy (de 86.o para 10.o). 

Eles tiraram da lista o peruano Lucca Mesinas (de 10.o para 12.o), o brasileiro Ian Gouveia (7.o para 15.o), o marroquino Ramzi Boukhiam (de 5.o para 16.o) e os franceses Maxime Huscenot (4.o para 18.o) e Joan Duru (8.o para 20.o). Apenas três sul-americanos estão no G-10, o ex-líder Wiggolly Dantas, que caiu para o sexto lugar, o peruano Alonso Correa, que despencou de 2.o para 9.o e o Jadson André agora na sétima posição.

O novo líder é o australiano Matt Banting, que já tinha vencido o QS 3000 da Central Coast, também na Austrália. Ele está somando os 3.000 pontos dessa vitória, com os 2.500 do quinto lugar no QS 5000 de Newcastle e os 8.000 do vice-campeonato no Sydney Surf Pro Challenger Series. O americano Nat Young tinha assumido a ponta em Manly Beach e está em segundo lugar, seguido pelo campeão Leonardo Fioravanti, o japonês Shun Murakami e Ryan Callinan. Os brasileiros estão abaixo dos top-5, Wiggolly em sexto e Jadson em sétimo lugar.

DECISÃO DO TÍTULO – Na decisão do título, Matt Banting colocou Leonardo Fioravanti nas cordas, com os 14,36 pontos que tinha conseguido com as notas 7,83 e 6,53 das suas duas melhores ondas. Quando restavam 10 minutos para o término da bateria, o italiano estava precisando de 10 pontos para vencer, então passou a arriscar os aéreos e completou as manobras. Foi voando que Leonardo conseguiu notas 7,43 e 7,07 na última onda, que virou o resultado para 14,50 a 14,36 pontos. O italiano faturou o prêmio máximo de 25.000 dólares e Matt Banting ganhou 12.500 pelo vice-campeonato. 

“Esta é, certamente, a maior vitória da minha carreira, então estou na Lua agora de tanta felicidade”, disse Leonardo Fioravanti. “É incrível ganhar o primeiro Challenger Series da história aqui em Sydney. Quando veio aquela última onda, eu apenas disse a mim mesmo, que é para isso que eu treino tanto, para momentos decisivos como esse e estou muito feliz por ter conseguido a vitória. Esse título definitivamente é para a Itália. Meu país está passando por muita coisa ruim agora e eu sei que tinha muita gente assistindo, então a vitória é para eles”.

CAMPEÃS MUNDIAIS – No Challenger Series feminino, a tetracampeã mundial Carissa Moore mostrou que era a surfista a ser batida no Sydney Surf Pro, desde a sua estreia na Austrália. Ela veio para Manly Beach para ganhar ritmo de competição, visando as Olímpiadas de Tokyo no Japão, pois já anunciou que não vai participar do World Surf League Championship Tour esse ano. Carissa vinha fazendo os recordes a cada dia e ganhou o duelo de campeãs mundiais que decidiu o título na sexta-feira. Ela liderou a bateria contra a bicampeã Tyler Wright do início ao fim, para faturar o mesmo prêmio de 25.000 dólares oferecido para os homens. 

“Estou muito feliz por ter vencido este evento, pois confesso que vim para cá com zero de expectativas”, disse Carissa Moore. “Eu só pensava em melhorar meu surfe em ondas assim, que são parecidas com as que vamos encontrar lá nas Olimpíadas do Japão. Eu só queria surfar, sem qualquer pressão e algumas coisas fiz muito bem, mas outras vou ter que trabalhar mais. A Tyler é uma competidora incrível e até achei que ela conseguiria a vitória na sua última onda, mas, felizmente para mim, não conseguiu e eu venci o campeonato”.

Mais informações, notícias, fotos, vídeos e todos os resultados do Sydney Surf Pro Challenger Series masculino e feminino, podem ser acessadas nas páginas dos eventos no www.worldsurfleague.com

-----------------------------------------------------------

RESULTADOS DO ÚLTIMO DIA DO SYDNEY SURF PRO:

Campeão: Leonardo Fioravanti (ITA) por 14,50 pts (7,43+7,07) – US$ 25.000 e 10.000 pts

Vice-campeão: Matt Banting (AUS) com 14,36 pts (7,83+6,53) – US$ 12.500 e 8.000 pts

SEMIFINAIS – 3.o lugar com US$ 6.250 e 6.500 pontos:

1.a: Leonardo Fioravanti (ITA) 12.14 x 11.57 Ethan Ewing (AUS)

2.a: Matt Banting (AUS) 12.06 x 12.00 Michael Dunphy (EUA)

QUARTAS DE FINAL – 5.o lugar com US$ 4.500 e 5.000 pontos:

1.a: Leonardo Fioravanti (ITA) 9.00 x 8.67 Liam O´Brien (AUS)

2.a: Ethan Ewing (AUS) 16.10 x 15.00 Jadson André (BRA)

3.a: Michael Dunphy (EUA) 15.63 x 13.27 Jack Robinson (AUS)

4.a: Matt Banting (AUS) 12.20 x 10.70 Ryan Callinan (AUS)

OITAVAS DE FINAL – 9.o lugar com US$ 3.250 e 3.500 pontos:

1.a: Leonardo Fioravanti (ITA) 12.27 x 10.24 Nat Young (EUA)

2.a: Liam O´Brien (AUS) 16.00 x 13.93 Vasco Ribeiro (PRT)

3.a: Ethan Ewing (AUS)14.16 x 12.77 Imaikalani deVault (HAV)

4.a: Jadson André (BRA) 13.30 x 12.16 Shun Murakami (JPN)

5.a: Jack Robinson (AUS) 12.33 x 10.77 Jacob Willcox (AUS)

6.a: Michael Dunphy (EUA) 14.10 x 8.93 Jorgann Couzinet (FRA)

7.a: Matt Banting (AUS) 14.60 x 11.33 Thiago Camarão (BRA)

8.a: Ryan Callinan (AUS) 16.00 x 13.87 Reef Heazlewood (AUS)

FINAL FEMININA DO SYDNEY SURF PRO:

Campeã: Carissa Moore (HAV) por 11,00 pts (6,00+5,00) – US$ 25.000 e 10.000 pontos

Vice-campeã: Tyler Wright (AUS) com 10,97 pts (5,67+5,30) – US$ 12.500 e 8.000 pts

SEMIFINAIS – 3.o lugar com US$ 6.250 e 6.500 pontos:

1.a: Tyler Wright (AUS) 14.30 x 13.24 Brisa Hennessy (CRI)

2.a: Carissa Moore (HAV) 13.07 x 9.76 Leticia Canales Bilbao (ESP)

QUARTAS DE FINAL – 5.o lugar com US$ 4.500 e 5.000 pontos: 

1.a: Brisa Hennessy (CRI) 13.76 x 12.30 Kirra Pinkerton (EUA)

2.a: Tyler Wright (AUS) 16.44 x 10.10 Gabriela Bryan (HAV)

3.a: Leticia Canales Bilbao (ESP) 10.00 x 9.23 Molly Picklum (AUS)

4.a: Carissa Moore (HAV) 15.50 x 15.10 Bronte Macaulay (AUS)

G-10 DO WSL QUALIFYING SERIES 2020 – após 14 etapas:

01: Matt Banting (AUS) – 13.500 pontos

02: Nat Young (EUA) – 10.448

03: Leonardo Fioravanti (ITA) – 10.300

04: Shun Murakami (JPN) – 9.310

05: Ryan Callinan (AUS) – 9.000

06: Wiggolly Dantas (BRA) – 8.700

07: Jadson André (BRA) – 8.500

07: Liam O´Brien (AUS) – 8.500

09: Alonso Correa (PER) – 8.173

10: Michael Dunphy (EUA) – 8.100

--------sul-americanos até 100:

12: Lucca Mesinas (PER) – 7.350 pontos

15: Ian Gouveia (BRA) – 6.500

17: Thiago Camarão (BRA) – 6.350

26: João Chianca (BRA) – 5.025

28: Weslley Dantas (BRA) – 4.700

32: Marco Giorgi (URU) – 4.450

34: Rafael Teixeira (BRA) – 4.032

37: Samuel Pupo (BRA) – 3.900

41: Alejo Muniz (BRA) – 3.750

44: Yago Dora (BRA) – 3.575

52: Willian Cardoso (BRA) – 3.075

62: Jessé Mendes (BRA) – 2.750

65: Victor Bernardo (BRA) – 2.525

66: Filipe Toledo (BRA) – 2.500

66: Leandro Usuna (ARG) – 2.500

73: Michael Rodrigues (BRA) – 2.300

81: Renan Pulga Peres (BRA) – 2.125

84: Deivid Silva (BRA) – 2.000

92: Marcos Correa (BRA) – 1.775

94: Leo Casal (BRA) – 1.750

94: Edgard Groggia (BRA) – 1.750

103: Lucas Silveira (BRA) – 1.600

109: Cristobal de Col (PER) – 1.475

G-6 DO WSL QUALIFYING SERIES – após 10 etapas:

01: Brisa Hennessy (CRI) – 15.200 pontos

02: Kirra Pinkerton (EUA) – 10.350

03: Gabriela Bryan (HAV) – 10.300

04: Carissa Moore (HAV) – 10.000

04: Bronte Macaulay (AUS) – 10.000

06: Molly Picklum (AUS) – 8.425

-----------sul-americanas até 100:

35: Daniella Rosas (PER) – 2.993 pontos

62: Josefina Ané (ARG) – 1.718

67: Anali Gomez (PER) – 1.500

74: Sol Aguirre (PER) – 1.275

87: Silvana Lima (BRA) – 1.025

95: Dominic Barona (EQU) – 925

103: Ornella Pellizzari (ARG) – 755

SOBRE A WSL - A World Surf League (WSL), criada em 1976, é a principal plataforma do surf e dos surfistas no mundo inteiro. A WSL está dedicada a mudar o mundo através do poder inspirador do surf, criando eventos, experiências e narrativas autênticas para inspirar a comunidade global a viver um lifestyle com dedicação, originalidade e entusiasmo. A World Surf League é uma organização global e sua sede principal é em Santa Monica, Estados Unidos, com escritórios regionais para a América do Norte, América Latina, Europa, África, Ásia, Australasia e Hawaii. A WSL tem uma profunda apreciação pela rica herança do surf, promovendo progressão, inovação e performance nos níveis mais altos do esporte. A WSL é composta por Circuitos e Eventos, celebrando os melhores surfistas do mundo em todas as modalidades, realizando anualmente mais de 180 campeonatos globais para coroar os campeões mundiais em todas as divisões; pela WSL WaveCO, onde a inovação encontra experiências inéditas; e pela WSL Studios, que oferece as melhores narrativas através das competições, lifestyle e conservação.

Para mais informações, visite WorldSurfLeague.com

Comentários

Galerias | Mais Galerias