#competição #surf 
Ubatuba - São Paulo - Brasil

Júlia Santos em busca do título do CBSurf Pro Tour em Ubatuba

Fábio Maradei

Única atleta que disputou as duas finais do Circuito este ano, a paulista Júlia Santos surfa confiante em busca do título profissional da Confederação Brasileira de Surf.

Previsão Surfguru de águas rasas para a Praia Grande de Ubatuba - SP

Recuperada de lesão no tornozelo, a atual vice-líder do ranking espera virar o jogo no HD apresenta Surf Trip CBSurf Pro Tour, nestes sábado e domingo (7 e 8), na Praia Grande, em Ubatuba, para comemorar como campeã brasileira 2019.

O evento também contará com a disputa masculina e cada categoria terá R$ 40 mil em premiação. As disputas começam sábado às 8 horas com transmissão ao vivo pelo site www.fpsurf.com.br. Entre as mulheres, Júlia tem uma diferença mínima para Taís de Almeida, do Rio de Janeiro, de apenas 20 pontos – 1.610 a 1.590.

A líder venceu na abertura do Circuito, no Ceará e foi quinta em Santa Catarina, enquanto que Julia foi terceira e depois a segunda. “Estou voltando de uma lesão no tornozelo grau 2 e, durante o tempo que fiquei em repouso, fazendo fisioterapia, só pensava em estar bem para essa última etapa”, afirma a atleta que teve rompimento do ligamento tibiofibular anterior do pé direito surfando.

“Me dediquei ao máximo na recuperação, mantive a minha mente nesse objetivo e depois de quase dois meses, graças a Deus, ao fisioterapeuta Leandro Canela e ao preparador físico Krom Guedes, voltei a surfar há 15 dias. Estou me sentindo muito bem e confiante para esse meu próximo desafio. Vou dar o meu melhor para conquistar esse título que sempre sonhei”, diz.

Júlia, que defende Santos, com o apoio da Fundação Pro-Esporte da Cidade (Fupes), sabe que a tarefa não será fácil, mas mostra animação para a sonhada conquista, que pode significar um impulso. Atuando como surfista profissional, ela usa todo o dinheiro que ganha para ajudar nas despesas de sua casa e não tem condições, no momento, de disputar o Circuito Mundial.

“No começo do ano fiz um planejamento com o meu técnico Pedro Souza e o nosso foco era o Circuito Brasileiro da Confederação. Eu treinei muito o ano inteiro só pensando nesse campeonato. A nossa meta era ficar entre as 3 melhores no final do ano, mas já que as coisas aconteceram para mim e consegui bons resultados nas duas etapas nossa meta hoje é o título”, revela. “Ser a única atleta a fazer duas finais nesse evento de alto nível me motiva muito e mostra que estou no caminho certo”, complementa.

Para ela, a conquista do título é o início de uma trajetória que vem planejando desde a infância, quando decidiu pelo surf, e pode significar ter um apoio maior para poder seguir uma nova fase da carreira, disputando o Mundial Qualifying Series (QS), em busca de uma vaga para a elite mundial. “Desde quando comecei a surfar, eu já sonhava em ser campeã brasileira e mundial e, se concretizar, terei mais um sonho realizado”, projeta.

“Eu nunca tive muita oportunidade, como poder ir para fora participar das etapas do QS e, quem sabe um dia, entrar para o CT. Sei que para eu chegar até aqui nessa decisão de título é mérito de toda minha força de vontade e meu amor pelo surf, por nunca ter desistido, mesmo com todas as dificuldades que enfrentei. Então, será um título muito importante para minha vida, será o meu primeiro título como profissional”, comenta Júlia.

Aos 23 anos, Júlia Santos tem sua rotina diária totalmente voltada ao surf. Na parte da manhã faz sua preparação no Centro de Treinamento de Surf, em Santos, com o técnico Pedro Souza, ao lado de outros surfistas profissionais, como Marcos Corrêa e Alex Ribeiro, que acaba de confirmar seu retorno ao CT em 2020. Depois, seguem para Guarujá, para simulações de baterias no mar e também há o complemento na academia.

Ela também faz sessões com os psicólogos Ricardo Padovani e Luísa Mauad, do Projeto da Unifesp. “Estão me ajudando muito a preparar minha mente para os desafios. Ter esse preparo psicológico era o que me faltava e hoje me sinto mais forte”, ressalta. “Aos finais de semana eu surfo também (risos). Aproveito para surfar com meus amigos de infância, gosto muito de estar com eles”, conta.

FUTURO - Para 2020, a perspectiva é que novos horizontes se abram, principalmente se chegar ao título máximo da Confederação Brasileira de Surf no final de semana. “Muita gente me pergunta sobre o QS, quando eu vou e eu fico sem saber o que falar. Na maioria das vezes respondo ‘Quando Deus quiser’, porque sei que tudo faz parte do plano Dele”, relata a surfista, que junto com a Fupes tem os apoios de Surf Trunk, Açaí Brazuka, Searchupunk e Janga.

“O que não me falta é vontade de poder entrar de vez na divisão de acesso, mas sem o suporte necessário é muito difícil. Eu não consigo ver a minha mãe a vida inteira trabalhando como doméstica e não ajudar, todo dinheiro que entra através do surf é para ajudar em casa, com as despesas. Ela é minha vida”, fala. “Por enquanto, a minha realidade só me permite competir no Brasil e, até agora, os planos para 2020 serão os mesmos, treinar muito e conquistar título brasileiro”, completa.

O evento também terá a disputa masculina e cada categoria terá R$ 40 mil em premiação. A competição começa sábado às 8 horas com transmissão ao vivo pelo site www.fpsurf.com.br, onde já estão disponíveis as baterias. Júlia entra no evento direto no round 2, somente no domingo. As finais serão realizadas das 13h40 às 14h30. 

O HD apresenta Surf Trip CBSurf Pro Tour tem os apoios de Super Tubes, Kyw, Surf Skate Mag, Surf Trip Tour, Filipe Toledo Surf Store e Atmosfera Incorporadora. Realização da Federação Paulista de Surf e Confederação Brasileira de Surf em parceria com a Associação Ubatuba de Surf (AUS) e Prefeitura Municipal de Ubatuba, através da Secretaria Municipal de Esportes e Lazer.

Comentários

Galerias | Mais Galerias