#competição #comunidade #longboard 
São Vicente - São Paulo - Brasil por Nancy Geringer

Monique Pontes foca no mundial de Longboard

Prestes a encarar duas competições internacionais, na Espanha e em Nova York (EUA), Monique Pontes relembra trajetória de ascensão no Longboard.

O segundo semestre promete ser agitado para Monique Pontes, 32, longboarder local da praia do Itararé, em São Vicente (SP). Após viajar à Austrália no início do ano e subir ao pódio em duas etapas do circuito Brasileiro (Jericoacoara-CE e Ubatuba-SP), o foco total está na preparação para o segundo semestre, com desafios que começam em águas internacionais em agosto. Ela embarca no próximo dia 21 rumo ao Velho Continente, aonde participa entre os dias 28 de agosto e 1 de setembro do Galicia Longboard Classic, em La Corunã, Espanha. Depois, Monique atravessa o Oceano Atlântico rumo a Nova York, nos Estados Unidos, para o New York Longboard Classic, entre 6 e 12 de setembro.

Atualmente, ela está em quarto lugar no ranking brasileiro e na 33ª posição no circuito mundial. “Nessa primeira parte do ano, me dediquei bastante ao circuito brasileiro e consegui fazer pódio em duas etapas. Também disputei etapa do mundial na Austrália e no Rio de Janeiro. Agora é partir para estas provas para conquistar um resultado forte e melhorar meu posicionamento no ranking da World Surf League”, diz a surfista que inclusive fez dobradinha no Ceará (ficando em terceiro na Open e em quarto Profissional).

Praticante de atividade física desde a infância, Monique passou por diversas modalidades até encontrar o surf há cinco anos e dar uma guinada na vida, tornando-se uma das principais atletas do país na modalidade Longboard. “Pratico desde a infância. Como a maioria das meninas iniciei minha vida no ballet, passei por outras modalidades de dança como jazz, dança de rua e de salão, mas aos 13 me encontrei mesmo no jiu-jitsu. Aos 15 aos fui campeã paulista categoria Pena e ainda tinha dúvidas se faria faculdade de Medicina ou Educação Física, mas optei pela esporte”, explica ela.

Uma contusão a tirou do jiu-jitsu, até que depois de formada teve contato com o Stand Up Paddle. “Esse esporte me levou até a Raia Olímpica da USP e lá conheci um dos meus esportes mais amados: Canoa Havaiana. Durante quatro anos me dediquei intensamente ao esporte, consegui integrar as duas maiores equipes de canoa no Brasil e conquistei dois vice-campeonatos brasileiros”.

Paixão pelo longboard - No final de 2014, formada e com seis anos de carreira profissional como educadora física, Monique encarou uma mudança para São Vicente. “Foi ai que o surf entrou na minha vida. Antes praticamente não existia. Tinha um contato superficial por conta do meu marido (João Renato Moura, waterman campeão brasileiro e medalha de prata no Sul-Americano de canoa havaiana). Quando íamos a praia eu o via surfando as vezes até arriscava. Mas foi em 2014 que entrou na minha rotina”.

Em 2016, encarou sua primeira competição. No ano seguinte surpreendeu ao ficar com a quarta colocação no Circuito Brasileiro e terminar o ano como quarta no ranking Sul-Americano. “Em 2018 não houve grandes eventos de surf no Brasil e foi um ano atípico no cenário competitivo, aproveitei para gravar um documentário sobre mulheres surfistas e participei de eventos fora do país para ganhar mais experiência”, diz.

Nesta fase, segundo a atleta, ser educadora física é uma vantagem. “O contato desde a infância com esportes e o fato de ter esse conhecimento é a minha maior estratégia no esporte. Uso para periodizar minha preparação física e me manter com as capacidades físicas necessárias para o esporte. O surf exige que o atleta seja forte, flexível e resistente para suportar as condições adversas do mar o que faz com que além das sessões diárias de surf me preparo com um treinamento físico integrado onde viso me manter apta e longe de lesões pelo maior tempo possível”, explica.

Comentários

Galerias | Mais Galerias