#competição #surf 
Maui Costa Oeste - Hawaii - Estados Unidos por João Carvalho

Carissa Moore ganha último CT do ano em Maui

A vitória sobre Malia Manuel valeu o terceiro lugar no Jeep Leaderboard da World Surf League que estava com a brasileira Tatiana Weston-Webb e Silvana Lima fica com a última vaga para o CT 2019.

Uma nota 10 na última onda do ano, para fechar com chave de ouro uma temporada emocionante das meninas no World Surf League Championship Tour. Foi assim que a tricampeã mundial Carissa Moore sacramentou a vitória na final havaiana com Malia Manuel no Beachwaver Maui Pro, nas ondas perfeitas da terça-feira em Honolua Bay, na ilha de Maui, Havaí. Com os 10.000 pontos do título, Carissa tirou o terceiro lugar no Jeep Leaderboard da brasileira Tatiana Weston-Webb. E o resultado desta última etapa, manteve a cearense Silvana Lima na última vaga do WSL Qualifying Series para a elite de 2019.

“Isso tudo é muito especial. Não poderíamos pedir ondas melhores do que essas para o nosso último dia da temporada. Este foi, provavelmente, o melhor dia competitivo da minha vida”, disse Carissa Moore. “Minha família inteira está aqui e estou muito feliz. Eu não estava na briga do título mundial este ano, mas ao mesmo tempo, eu pude competir sem essa pressão. Eu amo essa onda de Honolua e consegui realmente uma conexão muito boa com ela em certos momentos da minha carreira, então vencer aqui de novo foi incrível”.

A terça-feira foi mais um dia com condições épicas para as meninas competirem em ondas excelentes nas direitas de Honolua Bay. Carissa Moore procurou os tubos desde a sua primeira bateria do dia, mas também manobrou forte para liquidar suas oponentes desde as quartas de final. A decisão do título começou meio lenta, mas o mar bombou altas ondas nos últimos 10 minutos, para as duas finalistas buscarem a vitória.

O primeiro tubão foi surfado por Carissa Moore, que ficou em pé dentro do canudo e na saída errou a manobra de finalização da onda, mas ganhou nota 8,67 pelo tubaço. Malia Manuel também surfou bem duas ondas seguidas na casa dos 7 pontos, porém no final da bateria, Carissa pegou uma direita perfeita e mandou uma série de batidas e rasgadas muito potentes para ganhar nota 10 unânime dos cinco juízes. Com ela, fechou a vitória por 18,67 a 14,67 pontos como recordista absoluta do Beachwaver Maui Pro.

“É uma honra para mim dividir o pódio com a Steph (Gilmore) e a Carissa (Moore), duas das melhores surfistas da minha geração”, disse Malia Manuel. “Estou feliz por estar aqui, em casa, com todos meus amigos de Kauai. Estou sentindo boas vibrações agora, uma nova faísca em mim por ter me qualificado para o próximo ano. Eu tenho muitos planos e estou ansiosa já para o que vem, quem sabe disputando o título mundial também”.

Esta foi a segunda etapa vencida por Carissa Moore no CT esse ano. A primeira na estreia do Surf Ranch, a piscina de ondas idealizada por Kelly Slater na Califórnia. Depois, parou nas semifinais do Roxy Pro France e agora volta a ganhar na ilha de Maui, após o bicampeonato em 2014 e 2015. Carissa também retorna ao seleto grupo das top-3 do mundo, do qual fez parte desde a sua entrada na elite em 2010 e só tinha saído dele no ano passado. Ela tirou o terceiro lugar que era da gaúcha Tatiana Weston-Webb durante quase toda a temporada.

ÚNICA BRASILEIRA – Tatiana era a única brasileira no Beachwaver Maui Pro e também competiu na terça-feira. Ela surfou bem, massacrando uma onda com a potência do seu backside que valeu nota 8,10, para somar com o 6,50 da primeira que pegou na bateria. Só que a americana Courtney Conlogue foi melhor ainda e conseguiu tirar notas 7,33 e 8,07 dos juízes, para vencer por 15,40 a 14,60 pontos. A brasileira terminou então em quinto lugar e até trocou o pior resultado, aumentando sua pontuação no ranking para 46.430.

A californiana ainda poderia manter Tatiana entre as top-3, se parasse Carissa Moore nas semifinais. Mas, a havaiana parecia impossível de ser batida e já abriu a bateria surfando um tubaço incrível, mandando ainda duas manobras muito fortes para ganhar a maior nota do dia até ali, 9,5. Courtney começou bem também com 7,77, mas a havaiana respondeu com 6,17, que selou a vitória por 15,67 a 14,44 pontos.

HEPTACAMPEà– Esse duelo aconteceu logo após Malia Manuel vencer a primeira semifinal, carimbando a faixa da nova heptacampeã mundial. Além disso, vingou a derrota sofrida na final do ano passado na ilha de Maui, para a mesma Stephanie Gilmore. A havaiana já tinha passado pela recordista absoluta do primeiro dia no primeiro confronto da terça-feira em Honolua Bay, a também australiana Sally Fitzgibbons.

A primeira vaga na grande final foi bem disputada do início ao fim da bateria. Malia largou na frente com 6,33, contra 3,50 da defensora do título. Steph logo mostrou o seu surfe na segunda onda para receber 7,83, mas depois, o máximo que conseguiu para somar foi 5,53. A havaiana ficou na pressão e na quarta tentativa, surfou forte e acertou as manobras para ganhar a nota que precisava para virar o resultado, 7,17. Com ela, seguiu para a final por uma pequena vantagem de 13,50 a 13,36 pontos.

“A Malia (Manuel) é incrível, está sempre pegando as melhores ondas”, disse Stephanie Gilmore, que subiu no pódio para receber o seu sétimo troféu de campeã mundial na World Surf League. “Eu tentei seguir no jogo, buscando uma segunda nota boa para somar, mas está tudo bem. Eu vivi dias incríveis aqui e este ano foi muito além do que eu poderia sonhar. Surfar é muito bom e as pessoas sempre me perguntam porque eu estou sempre rindo, mas se eles fizessem o que eu faço, saberiam o porquê”.

SILVANA MANTIDA – Com os 7.800 pontos que marcou no ranking pelo segundo vice-campeonato consecutivo em Maui, Malia Manuel subiu da 12.a para a nona posição no Jeep Leaderboard, entrando no grupo das top-10 que são mantidas na elite para o ano que vem. O resultado do Beachwaver Maui Pro não provocou nenhuma mudança de nomes, entre as dezesseis surfistas que já estavam se classificando para o CT 2019.

Malia vinha se garantindo entre as seis indicadas pelo WSL Qualifying Series, então dispensou a vaga do seu segundo lugar no ranking de acesso. Quem saiu do grupo das top-10 do CT em Maui, foi a também havaiana Coco Ho, que é a terceira colocada no QS e passou a encabeçar o G-6. Com essa simples troca de nomes, a cearense Silvana Lima permaneceu com a última vaga da lista para o CT 2019.

Além de Coco Ho e Silvana Lima, mais duas integrantes da elite deste ano que ficaram de fora das top-10 do Jeep Leaderboard, garantiram suas permanências pelo QS, a neozelandesa Paige Hareb em quarto no ranking e a australiana Bronte Macaulay em quinto. Silvana terminou em nono, mas ficou no G-6 porque a número 1, Caroline Marks, a 2 Nikki Van Dijk e a oitava colocada, Malia Manuel, se classificaram entre as top-10 do CT.

NOVIDADES EM 2019 – Com quatro vagas conquistadas pelas tops deste ano, a elite de 2019 terá apenas duas novidades. São mais duas adolescentes ainda, mas já mostrando talento para entrar no grupo das melhores surfistas do mundo, a australiana Macy Callaghan com o sexto lugar no ranking do QS e Brisa Hennessy em sétimo, que vai colocar a Costa Rica na divisão de elite do surfe mundial pela primeira vez na história do WSL Championship Tour.

Macy já participou de sete etapas do CT esse ano, substituindo atletas lesionadas. Na última, surpreendeu ao chegar na final do Roxy Pro France, vencida por Courtney Conlogue. As duas novatas vão ocupar as vagas da americana Sage Erickson e da australiana Keely Andrew, que não conseguiram se manter em nenhuma das duas listas classificatórias e terão que voltar a disputar o WSL Qualifying Series em 2019, para poder retornar ao grupo das melhores do mundo. 

Mais informações, notícias, fotos, vídeos e todos os resultados do Beachwaver Maui Pro, podem ser acessadas no www.worldsurfleague.com clicando em “Events” na barra superior e no calendário do World Surf League Championship Tour feminino para buscar a página da etapa que fechou a temporada 2018 das meninas no Havaí.

SOBRE A WORLD SURF LEAGUE - A World Surf League (WSL), antes denominada Association of Surfing Professionals (ASP), tem como objetivo celebrar o melhor surf do mundo nas melhores ondas do mundo, através das melhores plataformas de audiência. A Liga Mundial de Surf, com sede em Santa Mônica, na Califórnia, atua em todo o globo terrestre, com escritórios regionais na Austrália, África, América do Norte, América do Sul, Havaí, Europa e Japão. A WSL vem realizando os melhores campeonatos do mundo desde 1976, promovendo os eventos que definem os campeões mundiais masculino e feminino no Championship Tour, além do Big Wave Tour, Qualifying Series e das categorias Junior e Longboard, bem como o WSL Big Wave Awards. A Liga tem especial atenção para a rica herança do esporte, promovendo a progressão, inovação e desempenho nos mais altos níveis, para coroar os campeões de todas as divisões do Circuito Mundial. Os principais campeonatos de surf do mundo são transmitidos ao vivo pelo www.worldsurfleague.com e pelo aplicativo grátis WSL app. A WSL tem uma enorme legião de fãs apaixonados pelo surf em todo o mundo, que acompanham ao vivo as apresentações de grandes estrelas, como Tyler Wright, John John Florence, Paige Alms, Grant Baker, Phil Rajzman, Tory Gilkerson, Mick Fanning, Stephanie Gilmore, Kelly Slater, Carissa Moore, Gabriel Medina, Courtney Conlogue, entre outros, competindo no campo de jogo mais imprevisível e dinâmico entre todos os esportes no mundo.

Para mais informações, visite o WorldSurfLeague.com

-----------------------------------------------------------

João Carvalho – WSL South America Media Manager

(48) 9988-2986 – jcarvalho@worldsurfleague.com

-----------------------------------------------------------

RESULTADOS DO ÚLTIMO DIA DO BEACHWAVER MAUI PRO:

Campeã: Carissa Moore (HAV) por 18,67 pontos (10,00+8,67) – US$ 65.000 e 10.000 pontos

Vice-campeã: Malia Manuel (HAV) com 14,67 pontos (7,60+7,07) – US$ 33.000 e 7.800 pontos

SEMIFINAIS – 3.o lugar com 6.085 pontos e US$ 21.000:

1.a: Malia Manuel (HAV) 13.50 x 13.36 Stephanie Gilmore (AUS)

2.a: Carissa Moore (HAV) 15.67 x 14.44 Courtney Conlogue (EUA)

QUARTAS DE FINAL – 5.o lugar com 4.745 pontos e US$ 14.475:

1.a: Malia Manuel (HAV) 15.00 x 4.67 Sally Fitzgibbons (AUS)

2.a: Stephanie Gilmore (AUS) 12.94 x 12.57 Johanne Defay (FRA)

3.a: Courtney Conlogue (EUA) 15.40 x 14.60 Tatiana Weston-Webb (BRA)

4.a: Carissa Moore (HAV) 14.66 x 12.40 Paige Hareb (NZL)

TOP-10 DO WSL JEEP LEADERBOARD – 10 etapas do CT 2018:

01: Stephanie Gilmore (AUS) – 62.515 pontos

02: Lakey Peterson (EUA) – 54.260

03: Carissa Moore (HAV) – 51.150

04: Tatiana Weston-Webb (BRA) – 46.430

05: Johanne Defay (FRA) – 41.555

06: Sally Fitzgibbons (AUS) – 37.320

07: Caroline Marks (EUA) – 37.000

08: Courtney Conlogue (EUA) – 36.390

09: Malia Manuel (HAV) – 34.020

10: Nikki Van Dijk (AUS) – 30.965

13: Silvana Lima (BRA) – 25.915

G-6 DO WSL QUALIFYING SERIES – Ranking Final das 52 etapas de 2018:

01: Caroline Marks (EUA) – 20.700 pontos com vaga nas top-10 do CT

02: Nikki Van Dijk (AUS) – 18.850 com vaga nas top-10 do CT

03: Coco Ho (HAV) – 18.650

04: Paige Hareb (NZL) – 15.400

05: Bronte Macaulay (AUS) – 14.900

06: Macy Callaghan (AUS) – 13.800

07: Brisa Hennessy (CRI) – 13.400

08: Malia Manuel (HAV) – 13.350 com vaga nas top-10 do CT

09: Silvana Lima (BRA) – 13.180

----------próximas sul-americanas até 100:

11: Tatiana Weston-Webb (BRA) – 12.700 pontos

25: Dominic Barona (EQU) – 6.425

34: Melanie Giunta (PER) – 5.500

43: Anali Gomez (PER) – 4.490

49: Josefina Ane (ARG) – 4.200

57: Sofia Mulanovich (PER) – 3.960

65: Taina Hinckel (BRA) – 3.540

74: Monik Santos (BRA) – 3.295

87: Lucia Indurain (ARG) – 2.940

95: Lorena Fica (CHL) – 2.765

99: Jessica Anderson (CHL) – 2.680

Comentários

Galerias | Mais Galerias