#tecnologia #negócios 
Sudoeste - Inglaterra por DANICA KIRKA, Associated Press

Surfista Foi Responsável por Barrar Ataque Mundial a Computadores

Jovem britânico que parou ciberataque é considerado um herói, mas ele acha que cumpriu somente com o seu dever.

Um jovem especialista em informática britânico, creditado como a pessoa que interrompeu o ciberataque do WannaCry disse à Associated Press que ele não se considera um herói, mas combate o malware porque "é a coisa certa a se fazer".

Em sua primeira entrevista cara-a-cara, Marcus Hutchins, que trabalha para Kryptos Logic, baseado em Los Angeles, disse na segunda-feira que centenas de especialistas em computação trabalharam durante o fim de semana para combater o vírus, que paralisou computadores em 150 países.

"Eu definitivamente não sou um herói", disse ele. "Eu sou apenas alguém fazendo meu bocado para parar botnets."

Com 22 anos de idade, o nerd de computador que mora na costa sul da Inglaterra, descobriu um chamado "kill switch" (interruptor de matar) que retardou o surto sem precedentes na sexta-feira. Ele então passou os próximos três dias lutando contra o worm que prejudicou a rede de hospitais da Grã-Bretanha, bem como sistemas de computador em todo o mundo.

O WannaCry paralisou computadores que rodavam principalmente versões mais antigas do Windows, criptografando arquivos de computador dos usuários e exibindo uma mensagem exigindo algo entre US $ 300 a US $ 600 para liberá-los; Se não pagassem, o vírus deixaria os dados mutilados e provavelmente irreparáveis.

Hutchins disse que tropeçou na solução quando ele estava analisando uma amostra do código malicioso e percebeu que estava ligado a um endereço web não registrado. Ele prontamente registrou o domínio, algo que ele faz regularmente para descobrir maneiras de rastrear ou parar ameaças cibernéticas, e descobriu que impediu o worm de se espalhar.

Salim Neino, CEO da Kryptos Logic, disse que Hutchins acionou o "interruptor de matar" na sexta-feira à tarde na Europa, antes que pudesse afetar completamente os Estados Unidos.

"Marcus, com o programa que ele dirige no Kryptos Logic, não só salvou os Estados Unidos, mas também impediu novos danos ao resto do mundo", disse Neino. "Em poucos minutos, conseguimos validar que houve realmente um interruptor de matar, foi um momento muito emocionante, isso é algo que Marcus validou por si próprio."

Ele disse que a empresa não foi capaz de identificar o "Paciente Zero", o primeiro sistema infectado, o que daria aos pesquisadores mais informações sobre quem estava por trás do ataque. No entanto, ele disse que o worm foi "mal projetado" - remendado juntos e uma "soma de diferentes partes", com um sistema de pagamento simples.

A Kryptos Logic é uma das centenas de empresas que trabalham para combater ameaças on-line para empresas, agências governamentais e indivíduos em todo o mundo. O próprio Hutchins faz parte de uma comunidade global que constantemente observa ataques e trabalha para frustrá-los, muitas vezes compartilhando informações no Twitter.

Não é incomum que os membros usem aliases, para proteger de ataques de retaliação e garantir a privacidade.

Hutchins tem tuitado por muito tempo sob o codinome MalwareTech, mas ele percebe que a sua fama recém-descoberta significará o fim do anonimato. Afinal, agora ele é uma celebridade. Ele esteve em contato com o FBI, bem como com autoridades britânicas de segurança cibernética. "Eu acho que eu nunca mais vou voltar para o MalwareTech que todo mundo sabia", disse o jovem de cabelos crespos, encolhendo os ombros e piscando um sorriso vencedor.

É provável que seja um ajuste grande. Hutchins vive com sua família nesta cidade litorânea, onde trabalha fora de seu quarto em um computador sofisticado com três telas enormes. Ele logo se tornará um herói local - mas se você perguntar a ele, sua vida de celebridade será de curta duração.

"Eu senti que eu deveria concordar com uma entrevista", disse ele. Mas mesmo isso fez Hutchins tão avesso à fama tão nervoso que inicialmente escreveu mal seu sobrenome, deixando de fora a letra "n" ao fazer um som para as câmeras.

Sua mãe Janet, uma enfermeira, não podia estar mais orgulhosa - e estava feliz por ter o véu do anonimato levantado. "Eu queria gritar, mas eu não podia", disse ela. Depois de mais análises, Hutchins, um ávido surfista, planeja tirar férias - viajando para Las Vegas e Califórnia às custas da empresa.

Um palpite sobre o que ele estará fazendo lá: Sim, surfando. Em ondas do mar desta vez.

Fonte: AP

Comentários

Galerias | Mais Galerias