#equipamentos #quilhas #pranchas #surf 
Brasil

A Influência das quilhas no surf

Luís Coruja - Prancha Nova

O que você sabe sobre quilhas?

É verdade que os surfistas hoje em dia estão cada vez mais entendidos sobre as pranchas de surf, mas será que sabemos o suficiente sobre a importância das quilhas no surf? Pois bem, é disso que iremos tratar hoje por aqui.

Dúvida comum entre a maioria dos surfistas, as quilhas desempenham um papel tão importante quanto às próprias pranchas na performance dos surfistas. Portanto, resolvemos trazer aqui alguns esclarecimentos essenciais para este entendimento. Dessa forma, com as ideias mais claras será possível que você escolhas as quilhas corretas para cada prancha ou situação no futuro.

Para se ter ideia da influência das quilhas na performance, alguns shapers e surfistas (Miguel Pupo por exemplo) dizem que elas afetam até 40% do desempenho de uma prancha. De fato é bem comum um surfista não gostar de uma prancha no começo e depois de uma simples troca no jogo de quilhas acabar achando-a mágica. Com tantas opções de pranchas no mercado, é primordial pensar em diferentes jogos de quilhas, dessa forma você poderá tirar o melhor de seu quiver dentro d'água e todas as condições de mar.

Número De Quilhas

O número de quilhas pode causar certa confusão, já que suas possíveis configurações variam de prancha para prancha. Nesse caso é interessante que o surfista e o shaper ou consultor tenham uma boa conversa antes de finalizarem a produção ou a compra da prancha. Isso porque o número de quilhas realmente afeta em como a prancha irá se comportar. Portanto, deixe bem claro quais são seus objetivos no surf com aquela nova prancha.

Inclusive, hoje em dia muitos modelos vêm de fábrica com 5 encaixes, fazendo com que a prancha possa ser surfada de pelo menos duas formas diferentes, em alguns casos até três. Vamos abordar algumas das mais tradicionais e populares com detalhes de seu funcionamento e em que tipos de pranchas e ondas elas funcionarão melhor.

Monoquilha

prancha monoquilha

Atualmente, a opção da monoquilhas é ideal para os longboards clássicos ou pranchas no estilo mid-lenght ("tamanho médio"). Para as pranchinhas de performance, usar apenas uma quilha é algo bastante ultrapassado e raramente utilizado. Apenas aqueles que realmente curtem a sensação diferente que ela oferece optam por esta configuração. Normalmente as monoquilhas são longas e largas e oferecem bastante controle. Elas são mais recomendadas para surfar ondas pequenas e médias, principalmente as cheias e fracas, pois criam menos arrasto.

Biquilha

prancha biquilha fish

A configuração com duas quilhas foi muito utilizada entre os anos 70 e 80, até a invenção das triquilhas. Foi usando esse tipo de equipamento que o australiano Mark Richards foi tetracampeão mundial de surf. Atualmente, as biquilhas são muito usadas em pranchas mais curtas, principalmente nas fish. Inegavelmente elas proporcionam muita velocidade e diversão em determinados tipos de pranchas e condições de mar específicas.

Se comparadas às monoquilhas, as biquilhas oferecem mais velocidade e manobrabilidade, além do aumento da sensação de maleabilidade e soltura. Depois da sua invenção, surfistas de todo o mundo viram suas vantagens competitivas em relação às pranchas com apenas uma quilha e consequentemente a evolução do surf foi enorme.

Triquilha

prancha triquilha

Desde a invenção das triquilhas, pelo aclamado shaper australiano Simon Anderson, é fato que esta é a configuração mais popular entre os surfistas do mundo todo. Muito versátil, ela é ideal para todos os níveis de habilidade, desde o iniciante até o profissional. Com a inclusão da terceira quilha, a do meio, as pranchas ganharam mais estabilidade e manobrabilidade quando comparadas às biquilhas.

As duas quilhas laterais são anguladas em direção à longarina da prancha, aumentando a projeção e a velocidade. As triquilhas também são muito versáteis respondem bem mesmo em condições mais adversas. Elas funcionam legal tanto em ondas tubulares e poderosas quanto em ondas cheias e fracas. Inegavelmente esta configuração é a mais recomendada para o surf de alto desempenho e o único ponto fraco é que a quilha traseira gera mais arrasto em relação às biquilhas.

Quadriquilha

prancha quadriquilha

A configuração com quatro quilhas oferece algumas das melhores características das biquilhas e também das triquilhas. Quando as quilhas traseiras das quads são posicionadas mais próximas às bordas, elas auxiliam a aumentar a velocidade do surfista. Elas também permitem curvas rápidas, semelhantes a uma biquilha, entretanto, com muito mais controle.

De fato, as quadriquilhas podem suportar ondas poderosas e andam muito bem nos tubos. Como essa configuração não tem uma quilha central, há menos resistência e arrasto, isso gera muita velocidade e não sacrifica a capacidade de manobrar. É provável que haja um estranhamento nas primeiras vezes em que você surfar com uma quadri, por parecer mais solta e veloz, no entanto, dê chances à ela, você irá se surpreender.

Nos dias de hoje, muitas pranchas saem da fábrica com cinco encaixes de quilhas, mas não se deixe enganar e jamais coloque cinco quilhas em sua prancha. Todos estes encaixes estão lá para que o surfista possa escolher entre surfar com duas, três ou quatro quilhas. Certamente isso torna seu equipamento mais versátil e oferece dinamismo para diversos tipos de mar com a mesma prancha. Em raros casos, surfistas como o eneacampeão mundial Kelly Slater utilizam quatro quilhas + um minúsculo estabilizador, como se pode ver na foto abaixo.

prancha quadriquilha com estabilizador

Tamanho Das Quilhas

quilhas e tamanho de cada uma delas

O tamanho das quilhas diz respeito ao volume, à área da uma quilha. Jogos de quilhas maiores geralmente terão mais solidez e controle, consequentemente oferecerão maior segurança nas curvas. Por outro lado, quilhas pequenas oferecem uma sensação mais solta debaixo da prancha, sacrificando um pouco a estabilidade. É claro que existem mais detalhes técnicos além disso, os quais combinados podem alterar a forma como elas funcionam.

Geralmente os surfistas se baseiam em seu peso, altura e tamanho das ondas para poderem escolher o tamanho correto do jogo de quilhas a ser utilizado. Existe uma base de referência na maioria do fabricantes, de acordo com seu peso, o que sim pode ser usado como referência, entretanto não deve ser o único fator a ser levado em consideração.

Base Das Quilhas

A base é a parte da quilha que está conectada ao fundo da prancha. Uma base mais larga proporciona mais drive, mais direção. Isso se traduz em curvas mais alongadas. Já quilhas com bases mais estreitas permitem que o surfista faça curvas mais fechadas, mais curtas, atacando a onda em espaços limitados.

Altura

A profundidade ou altura da quilha se refere à distância que ela se estende até a parte inferior da prancha. Uma quilha mais alta, ou seja, mais profunda na água terá mais segurança e estabilidade do que uma quilha curta. Quanto mais curta a quilha, mais livre e solta será a rabeta nas curvas.

Curvatura

curvatura da quilha e pivô

Quando você está olhando para o arco da quilha e a que distância ele se inclina para trás, está olhando para a curvatura dela. Quanto maior o grau de curvatura, mais longas serão as curvas que sua prancha fará. Isso é ótimo para aqueles dias maiores, com uma parede longa e previsível para surfar. Ao contrário, menos curvatura, como em um modelo de quilhas mais vertical, significa que você terá mais dinamismo e agilidade, são ótimas em dias de ondas menores ou beach breaks com ondas rápidas que oferecem pouca área e pouco tempo para curvas maiores.

Foil

largura da base das quilhas ou foil

O foil das quilhas é nada mais que o desenho hidrodinâmico delas, muito parecido com as asas de um avião. É o que gera sustentação sob a rabeta da prancha. As quilhas são geralmente mais espessas no meio e mais finas nas bordas. Existem alguns tipos de desenhos diferentes, com algumas variações. As quilhas laterais geralmente são planas, mas podem ser curvadas para dentro, contendo uma espécie de concave, o qual ajuda a gerar mais velocidade na prancha. No caso das quilhas centrais, elas quase sempre serão simétricas em ambos os lados. Em suma, o foil determina o volume de uma quilha e também como a água passa pelos lados dela.

Inclinação

inclinação das quilhas

A inclinação é o grau de ângulo externo que uma quilha em relação à parte inferior da sua prancha. Se uma quilha tem zero de inclinação é possível posicioná-la para cima e para baixo em um ângulo reto em relação à sua prancha. Dessa forma ela será muito rápida em linha reta, mas não fornecerá tanta capacidade de resposta nas curvas. Se o grau de inclinação for maior você ganhará capacidade de virar e manobrar, assim sendo você poderá manter um pouco mais de direção e projeção quando a prancha estiver com a borda cravada na água.

Alinhamento

esquema de alinhamento de quilhas numa prancha

O alinhamento das quilhas está relacionado ao ângulo em que elas estão apontando na direção da longarina da prancha. Isso ocorre muito nas quilhas laterais, com a parte da frente delas apontando para o centro da prancha. Este detalhe pode ajudar a criar pressão na face externa da quilha. Isso, por sua vez, permite que você tenha novamente um pouco mais de capacidade de resposta e drive na prancha.

Flexibilidade

A flexibilidade ou rigidez de uma quilha desempenha um papel muito importante na maneira como uma prancha de surf irá responder na água. Para um surfista iniciante, as quilhas rígidas são mais tolerantes e proporcionam a estabilidade necessária. A falta de flexibilidade torna difícil fazer curvas fechadas, no entanto, quilhas rígidas são mais resilientes, ou seja, têm a tendência de retornar rapidamente à sua posição natural. Dessa forma as curvas serão mais rápidas do que com uma quilha flexível.

No entanto, quilhas flexíveis são mais eficazes em gerar velocidade na ondas do que quilhas rígidas, pois permitem que o surfista utilize o retorno elástico como forma de propulsão quando estimulado de maneira correta (pense no movimento de subir e descer a parede da onda rapidamente em mares pequenos).

Em condições de ondas fortes, o ideal é usar quilhas menos flexíveis, feitas com materiais mais leves e modernos como a fibra de carbono por exemplo. Como a onda grande gera velocidade suficiente, estas quilhas controlam a flexibilidade e o retorno elástico para responderem de forma muito mais segura e previsível para que os surfistas possam desempenhar nos 100% de suas capacidades.

Consulte Um Especialista

A escolha correta das quilhas, assim como escolher pranchas de surf, certamente oferece uma quantidade quase ilimitada de experimentação. As configurações e construções mencionadas acima são apenas algumas variáveis entre várias que envolvem a experimentação e o design das quilhas e das pranchas de surf. Inegavelmente há uma quantidade ilimitada de combinações que podem ser usadas e testadas para que o surfista encontre o que considera como ideal para aquela prancha naquele mar.

Assim sendo, consideramos de extrema importância que você converse com especialistas que possam ajudá-lo a escolher os jogos de quilhas ideais para seu quiver. Dessa forma, você poderá surfar em qualquer condição de mar sempre com a combinação correta, confiando no seu equipamento e tirando o melhor dele. Então, da próxima vez que for encomendar sua prancha e comprar suas novas quilhas tenha em mente tudo que falamos aqui, temos certeza de que isso o ajudará na evolução ao próximo nível de surf.

Comentários

Galerias | Mais Galerias