#previsão #tecnologia #meio ambiente #saúde 
Estados Unidos por John D. Sutter

A "Pergunta Simples" que Pode Mudar a Sua Opinião Sobre o Aquecimento Global

Quais serão as consequências para a humanidade de simplesmente ignorar o fato do mundo estar aquecendo se isto for verdade? Além do mais, se mudarmos de hábitos agora, as consequências serão mais qualidade de vida e mais desenvolvimento.

O âncora da Fox News, Chris Wallace, no início desta semana fez uma das perguntas mais importantes colocadas para a administração Trump durante os seus primeiros 100 dias no cargo. "Simples pergunta, e se você estiver errado?" Ele perguntou no domingo.

Wallace dirigiu esta pergunta curta porém crítica para Scott Pruitt, o chefe da Agência de Proteção Ambiental dos EUA. O contexto era a mudança climática. A implicação: E se você estiver errado e poluição de dióxido de carbono - a partir de combustíveis fósseis - realmente é o principal motor do aquecimento global? Isso é quase um consenso entre os cientistas do clima, afinal.

Pruitt, no começo deste ano, se equivocou sobre este ponto, dizendo que "não concordaria que (a poluição por dióxido de carbono) é um contribuinte primário para o aquecimento global que vemos".

- Sr. Pruitt, há todos os tipos de estudos que contradizem você - disse Wallace. "O painel da ONU sobre as mudanças climáticas diz que é pelo menos 95% provável que mais da metade do aumento da temperatura desde meados do século 20 é devido às atividades humanas. O NOAA - que é a nossa própria Administração Oceânica e Atmosférica Nacional - diz que há mais dióxido de carbono agora do que nos últimos 400.000 anos, e o NOAA disse que 2015 e 2016 foram os dois anos mais quentes no registro.

- Sr. Pruitt, devemos acreditar que isso é uma coincidência?

Depois de algumas idas e vindas, foi feita a pergunta muito importante. E se ...

"E se, de fato, a Terra estiver se aquecendo? E se estiver ocorrendo uma mudança climática dramática e que nós, como seres humanos, por meio das emissões de carbono estamos contribuindo para isso?" - perguntou Wallace.

"Simples pergunta, e se você estiver errado?"

"Olha, deixe-me dizer, o CO2 (dióxido de carbono) contribui para o efeito estufa e aquecimento global, como o metano e outros tipos de gases", disse Pruitt. "A questão é o quanto nós contribuímos para isso a partir da perspectiva da atividade humana e o que pode ser feito sobre isso a partir de uma perspectiva de processo, Chris."

Wallace: "Mas você não acha que o fato de termos estas usinas de carvão emitindo carbono no ar, você não acha que isso não desempenha um papel?"

Em vez de responder a isso, Pruitt falou sobre como os EUA supostamente têm queimado carvão "de uma forma limpa". Carvão não é limpo. Contribui com a poluição e mortes relacionadas, bem como o aquecimento global. É mais sujo que o gás natural, por exemplo. A primeira usina de "carvão limpo" dos Estados Unidos abriu em janeiro, segundo o Washington Post, mas há sérias dúvidas sobre a sua tecnologia - que é projetada para sequestrar a poluição por dióxido de carbono - e a sua viabilidade econômica.

Mas ... Năo estou aqui para questionar Pruitt. Muitos jornalistas fizeram isso. Em vez disso, eu quero falar sobre Wallace e sua pergunta impressionante. Porque é uma que poderia mudar a forma como as pessoas - 47% dos americanos dizem que o aquecimento global é natural ou não têm certeza da sua causa - pensam sobre a crise climática.

Eu sei que isso é verdade porque eu conversei esta semana com Jerry Taylor, um antigo cético do aquecimento global causado pelos humanos que mudou a sua opinião. E essa mesma pergunta ajudou a reformular seu pensamento.

Taylor é presidente do Centro Niskanen, que defende um imposto sobre o carbono como uma solução conservadora para a crise climática. Mas antes disso, ele passou 23 anos no CATO Institute, um think tank libertário, onde ele defendia uma abordagem para a crise climática porém não tomava nenhuma atitude concreta. É uma posição que não está muito distante da administração Trump, que parece estar tentando injetar falsas dúvidas na ciência climática como uma forma de justificar a evisceração dos regulamentos de poluição.

O ceticismo de Taylor na mudança do clima caiu por causa de alguns argumentos, ele me disse. Mas o "e se" foi crítico. Aqui está a evolução: Depois de ser convidado para um programa de TV a cabo para promover o ceticismo climático, Taylor me falou que o convidado opositor o levou a reler o testemunho feito em 1988 no congresso americano do cientista climático James Hansen, ex-diretor do Instituto Goddard da NASA para Estudos Espaciais.

"Gostaria de tirar três conclusões principais", disse Hansen ao Congresso há quase 30 anos. "Número um, a Terra está mais quente em 1988 do que em qualquer momento da história das medições instrumentais. Número dois, o aquecimento global é agora grande o suficiente para podermos atribuir com um alto grau de confiança uma relação de causa e efeito para o efeito estufa. E número três, nossas simulações do clima no computador indicam que o efeito estufa já é bastante grande para começar a afetar a probabilidade de eventos extremos tais como ondas de calor no verão."

"Fiquei bastante abalado com isso", Taylor me disse. Ele percebeu que estava deturpando a pesquisa por não reconhecer que Hansen tinha apresentado uma série de cenários de aquecimento global e emissões. E então ele começou a pensar sobre os riscos da falta de ação.

Se houvesse mesmo uma pequena chance de que especialistas globais como Hansen estivessem corretos (97% dos cientistas do clima do mundo dizem que os seres humanos são em grande parte responsáveis ​​pelo aquecimento global, de acordo com a pesquisa revisada pelos pares), o mundo estará com mais do que sérios problemas daqui há alguns anos.

Taylor se reuniu com um especialista em gestão de risco do Goldman Sachs, um banco de Wall Street, que disse a Taylor que as pessoas deveriam pensar nos riscos da crise climática da mesma forma que pensam nos riscos nos mercados financeiros.

"Ele disse que o debate sobre o resultado mais provável (das mudanças climáticas) é um assunto secundário", falou Taylor. "Há uma gama completa de resultados aqui em jogo e na gestão de risco você tem que dar uma olhada nesta gama completa de resultados e se precaver contra eles. Ninguém com um bom juízo nos mercados financeiros iria considerar dizer o contrário ... nos mercados financeiro seria loucura não se proteger contra os riscos."

Mais uma vez, seu pensamento foi chacoalhado. "Em todos os outros contextos em que você tem esse grau de risco e incerteza, corretamente nos protegemos, abordamos corretamente toda a gama de possíveis resultados", disse Taylor. "Não fazer isso na arena do clima quando você tem tudo isto em jogo é incrível para mim ... Será que realmente você quer ir a Las Vegas e colocar todo o nosso dinheiro em uma roleta e dizer: 'Bem, isso é o melhor resultado possível?'"


Anomalias da temperatura global da terra e do mar foi 1,11°C mais quente em abril de 2016 que a temperatura média de abril, durante o período de 1951 a 1980

Se a sociedade não fizer nada e continuar a queimar combustíveis fósseis, os cientistas dizem que podemos esperar piorar as super sêcas, ondas de calor mais mortíferas, extinção em massa no mundo natural e elevação do nível do mar que, como disse Taylor, vai afundar metade da Flórida, bem como muitas cidades costeiras. Não é uma questão de se, mas quando.

E sabemos que quanto mais poluição criamos, mais arriscado tudo isso se torna. (O que não é um pensamento particularmente reconfortante se você souber que o mundo cria 1.200 toneladas métricas de poluição de dióxido de carbono a cada segundo, de acordo com o Global Carbon Project and Climate Analytics.)

Além disso, há uma série de "co-benefícios" da transição de combustíveis fósseis, desde o ar mais limpo até uma economia mais forte e mais moderna.

Ainda não comprou a idéia?

Não pensa que é uma boa coisa a ser feita?

Pergunte a si mesmo: E se você estiver errado?

Fonte: CNN

Comentários

Galerias | Mais Galerias