#tecnologia #meio ambiente 
Virginia - Estados Unidos por John Cook

Porque Algumas Pessoas Rejeitam a Mudança Climática?

O que os trajes de gorila e falácias de baiacu têm a haver com a mudança climática?

Um famoso experimento de psicologia instruía os participantes a assistir a um pequeno vídeo, contando o número de vezes que os jogadores de camisas brancas passavam a bola. Se você ainda não viu, eu o incentivo a ver esse vídeo curto e com toda a sua atenção e seguir as instruções no vídeo antes de continuar a ler esta matéria:

No final, os participantes descobriram o significado do vídeo quando perguntados se eles tinham observado o gorila andando pelo meio dos jogadores. Metade dos participantes nem notaram o gorila. A lição? Quando nós focamos em detalhes específicos (como jogadores em camisas brancas), não notamos o gorila na sala.

O que isso tem a ver com a mudança climática? Eu sou um psicólogo cognitivo interessado em melhor compreender e combater as técnicas utilizadas para distorcer a ciência da mudança climática. Descobri que entender o porquê de algumas pessoas rejeitarem a ciência do clima oferece uma visão de como elas negam a ciência. Ao compreender melhor as técnicas empregadas, você pode combater a desinformação de forma mais eficaz.

Cada movimento que rejeitou um consenso científico, seja em evolução, as alterações climáticas ou a ligação entre tabagismo e câncer, apresenta as mesmas cinco características de negação da ciência (concisamente resumidos pela sigla FLICC). Estes são especialistas falsos, lógica falsa, expectativas impossíveis, colhendo a cereja e teorias da conspiração. Quando alguém quer lançar dúvidas sobre uma descoberta científica, a FLICC é parte integrante da caixa de ferramentas de desinformação.


As cinco características da negação da ciência.

Falácias lógicas são um amplo guarda-chuva, incluindo uma série de outras técnicas enganosas. Por exemplo, o arenque vermelho é um termo que provavelmente originou-se da técnica de utilização de peixe com cheiro forte para tirar a atenção de cães de um perfume. Da mesma forma, informações irrelevantes ou argumentos podem ser usados ​​para distrair as pessoas de informações importantes.


A falácia do baiacu.

Existe uma classe especial de arenque vermelho - uma técnica específica de negação, muitas vezes empregada para distrair as pessoas de importantes descobertas científicas. Para manter a metáfora dos peixes, eu caracterizo isto como a falácia do baiacu.

Esta é a técnica de focalizar em um aspecto metodológico inconsequente da pesquisa científica, estufando a proporção deste aspecto a fim distrair a platéia do retrato maior. Se você persuadir as pessoas a se concentrar o suficiente em detalhes específicos, eles podem não notar o gorila na sala.

O consenso científico é de 97% de que há mudança climática

Um exemplo da estratégia baiacu é a tentativa de distrair do consenso científico sobre a mudança climática. Estudo após estudo, usando uma ampla gama de métodos independentes, chegaram a um consenso generalizado entre os cientistas do clima que os seres humanos estão causando o aquecimento global.

Eu fui co-autor de um desses estudos. Nós lemos 21 anos de documentos climáticos, identificando quais documentos endossaram ou rejeitaram o aquecimento global causado pelo homem. Entre os artigos que indicam uma posição, 97 por cento concordaram que os seres humanos estão causando o aquecimento global. Nossa pesquisa tem sido implacavelmente atacada pelos grupos de pensadores conservadores, políticos e jornais. Normalmente, as críticas focam em pequenos detalhes metodológicos do estudo ou suposições falsas que têm pouca ou nenhuma influência sobre o nosso resultado final.

A maioria das críticas deixam de reconhecer que nosso estudo foi replicado por vários estudos independentes. Toda a crítica ao nosso estudo tem evitado o fato de que, mesmo dentro de nosso próprio estudo, nós replicamos independentemente o resultado de 97 por cento do consenso. Além de categorizar os artigos, nós também convidamos os cientistas que escreveram os documentos do clima para categorizar se seu artigo declarou uma posição sobre o aquecimento global causado pelo homem. Entre os documentos auto-classificados como declarando uma posição, 97 por cento endossaram o consenso.

Replicando o registro de temperatura global

Diversas equipes científicas construíram registros de temperatura global. Todas elas são notavelmente consistentes umas com as outras, confirmando que estamos em um período de aquecimento a longo prazo e experimentando temperaturas quentes recordes nos últimos anos. O fato de que esses achados básicos foram replicados por tantos grupos diferentes de cientistas de todo o mundo mostra que a nossa compreensão do aumento da temperatura global é sólida.


Registros de temperatura global do NOAA, NASA, Berkeley, Hadley e Cowtan&Way. Zeke Hausfather, Resumo do Carbono, Autor fornecido

Uma maneira de distrair a forte compreensão de como nosso clima está mudando é recorrer à chamada falácia do baiacu. Recentemente, o jornalista inglês David Rose afirmou que falhas metodológicas de cientistas da NOAA lançou dúvidas sobre o registro da temperatura global. Rose "esqueceu" de reconhecer que os dados que ele estava atacando tinham sido independentemente replicados por uma série de outras equipes científicas.

A desinformação de Rose foi prontamente e de forma abrangente desmascarada. Em poucos dias, o chamado "delator", que foi a fonte do artigo se distanciou das caracterizações de Rose. Ao contrário das conclusões sem fôlego de Rose, o cientista de dados John Bates disse que "... não houve manipulação de dados, não houve mudança de dados, nada malicioso".

A resposta fora de proporção de Rose foi melhor resumida pelo escritor de ciência Scott Johnson:

"... não é muito mais substancial do que afirmar que os astronautas do Apollo 11 não conseguiram arquivar alguns papéis e fingir que isso coloca dúvidas sobre a veracidade do pouso na Lua".

O gorila da mudança do clima

O caso da mudança climática é um gorila alto, imperdível. Nossa aceitação de que o aquecimento global está acontecendo é baseado em dezenas de milhares de linhas de evidência: não apenas leituras de termômetro mas derretimento das calotas polares, espécies migratórias, geleiras recuando e elevação do nível do mar, para citar apenas alguns.

Da mesma forma, nossa compreensão científica de que os seres humanos estão causando o aquecimento global moderno é baseada em muitos rastros independentes dos humanos, observados por satélites, medições de superfície de calor infravermelho e, de fato, a estrutura de deslocamento da nossa atmosfera.

Para que se evite ver o clima gorila, se faz necessário teorias de conspiração e técnicas de distração, como a falácia do baiacu. Muitas vezes, estes argumentos são acompanhados com a falsa narrativa de que a nossa compreensão científica da mudança climática é como uma casa feita de cartas - remove-se uma carta e todo o prédio cai.

A ciência é mais como um quebra-cabeça, com cada linha de evidência construnido um quadro mais completo. Remover uma peça não altera a imagem geral. No caso do papel da humanidade em causar a mudança de clima, nós já temos muitas peças do quebra-cabeça, e o retrato é bastante claro.


John Cook - Professor Assistente de Pesquisa, Centro de Comunicação de Mudança Climática, Universidade George Mason.

Declaração de divulgação: John Cook não trabalha, não presta consultoria, nem possui ações ou recebe financiamento de qualquer empresa ou organização que se beneficiaria deste artigo, e não revelou afiliações relevantes além da nomeação acadêmica acima.

Fonte: The Conversation

Comentários

Galerias | Mais Galerias