#meio ambiente 
Austrália

Eventos Severos de La Niña Poderão Dobrar Devido ao Aquecimento Global

Alister Doyle - Planet Ark

Eventos climáticos extremos de "La Niña", que resfriam o oceano Pacífico, e podem perturbar o tempo em todo o mundo, irão paradoxalmente acontecer quase duas vezes mais, afirma uma equipe internacional de cientistas.

Severos La Niñas, ligado tanto a inundações como a secas, bem como a mais furacões no Atlântico, devem acontecer em média a cada 13 anos no século 21, se as emissões de gases do efeito de estufa continuarem a aumentar, em comparação com a média de uma vez a cada 23 anos do século passado, disseram os pesquisadores.

"Nós mostramos que o efeito estufa leva a um aumento significativo na freqüência de eventos extremos de La Niña", disse o relatório conduzido por especialistas da Australian Commonwealth Scientific e Industrial Research Organisation (CSIRO).

La Nina é o oposto do mais conhecido evento climático, o El Nino, caracterizado por águas mais quentes no Pacífico tropical, com repercussões que podem causar bilhões de dólares em perdas de alimentos e água ao redor do globo.

La Ninas acontecem de forma imprevisível em cada 2 a 7 anos, com o último evento extremo, caracterizado por um acentuado arrefecimento das águas superficiais do Pacífico, entre 1998 e 99.

Os resultados, publicados na revista Nature Climate Change, seguiu outro estudo pelo autor Wenju Cai no ano passado, que identificou uma ligação entre o fenômeno El Niño e o aquecimento global.

"Descobrimos que os El Niños extremos irão dobrar em freqüência. Nós não encontramos evidências de que a intensidade aumentará. Os eventos extremos só ocorrerão com mais frequência", disse ele à Reuters.

O estudo também indicou que os La Niñas estavam propensos a seguir os El Niños mais frequentemente, em dose dupla prejudicial.

Escrevendo um comentário na Nature Climate Change, Antonietta Capotondi, do Laboratório de Pesquisa do Sistema Terrestre do NOAA, disse que os resultados foram "plausíveis", mas pediu mais estudos.

Capotondi disse que parecia um contra-senso que os La Niñas, ligados ao arrefecimento das águas, poderão acontecer com mais freqüência em um mundo mais quente.

Em condições de La Niña, no entanto, o calor sobre a terra, no Pacífico Ocidental, incluindo a Austrália e a Indonésia iriam deslocar os ventos para o oeste do oceano pacífico, que por sua vez, provocariam o afloramento de águas profundas e o arrefecimento da temperatura da superfície do oceano.

Entre outros eventos extremos, coincidindo com o La Niña de 1998-1999, cheias fluviais e tempestades mataram milhares de pessoas na China e em Bangladesh. Em 1998, o furacão Mitch matou 11.000 pessoas em Honduras e na Nicarágua.

Traduzido do Planet Ark

Comentários

Galerias | Mais Galerias