#comunidade #cultura 
Oahu Costa Norte - Hawaii - Estados Unidos

Os Sábios do Limu Havaiano: Uma História Além do Surfe

Miwa Tamanaha - The Inertia

Faça uma pesquisa na web para imagens de "Hawaii", e os primeiros resultados encherão a sua tela com praias de areia branca e água azul. Parece familiar? São imagens do arquétipo paradisíaco, mas contam uma história deste lugar que é muito incompleta.

Entre as muitas coisas que você não vai encontrar nessas imagens são algas nativas do Hawai'i. As chamadas Limu na língua havaiana, essas "plantas do mar" são encontradas em todas as ilhas e formam uma parte cultural e ecológica crítica da paisagem oceânica do Hawai'i. 

Limu são alimento para os peixes, que fazem parte da fundação de uma teia trófica complexa que se estende desde as pessoas até o plâncton. Para muitos de nós no Hawai'i, limu são mais comumente trazidas à mente como um ingrediente essencial em nossos pratos de almoço. Elas também são um presente compartilhado entre amigos e familiares para reforçar os laços, utilizada medicinalmente e no ho'oponopono, uma prática tradicional de reconciliação e cura. 

O que menos se conhece é que a saúde dos limu serve como um indicador-chave para a saúde ambiental. Um ancião hábil em limu pode dizer quando certos peixes virão e onde água doce está fluindo simplesmente a partir da observação da limu. Ele pode olhar para a limu em determinadas épocas do ano e dizer o que está acontecendo com as árvores no alto das montanhas. 

Graças a uma bolsa do programa Toyota TogetherGreen da Audubon, eu tive a oportunidade de humildemente, ao longo dos últimos 12 meses, passar um tempo com o sábio do limu, o tio Henry Chang Wo Jr. do 'Ewa Beach Limu Project'. Com 73 anos, tio Henry tem cabelos compridos, magro, é alto e ágil, um ex-mergulhador comercial educado em limu por sua mãe e sua avó. Um piadista com um largo sorriso, ele é um conhecido nativo havaiano kupuna (mais velho) nas praias do Oeste de O'ahu. 

Como os outros antes dele, o tio Henry manteve uma conexão com o conhecimento e as tradições de muitas gerações de Hawai'i de pessoas qualificadas no oceano por um período de mudança profunda e ampla social, econômica e cultural. Homens e mulheres qualificadas que conheciam seus oceanos intimamente, eles não só descobriram a arte de andar sobre as ondas, mas eram cuidadores magistrais de que se encontra abaixo delas. 

Limu havaianasMais do que o que você encontra em suas tigelas - foto: Kim Moa

Encontros de Limu e o surf (He'e Nalu) são ambas artes havaianas indígenas. Eles continuaram em uma linha ininterrupta de prática ao longo do tempo, sobrevivendo aos primeiros estragos da perda de população pelas doenças ocidentais, a derrubada da monarquia havaiana e repressão institucional posterior da língua havaiana. 

Enquanto o surf explodiu em todo o mundo, se juntar para cuidar do limu é uma prática cada vez mais concentrada em pequenos bolsões onde anciãos ainda detêm o conhecimento tradicional. Uma vez abundante, mas agora em declínio, o desenvolvimento urbano, a colheita inadequada, alterações climáticas e outras pressões continuam a crescer e afetar limu ao redor das ilhas. 

Do Tio Henry aprendi que como os surfistas do Hawai'i, os coletores de limu contam com o fluxo de água fresca e limpa da montanha em direção ao mar. Quando as águas que descem das montanhas estão poluídas ou são desviadas, ou novas áreas costeiras são dragadas, os impactos para os surfistas e coletores de limu são os mesmos. Os poluentes na água e possíveis alterações na hidrologia e na movimentação de areia degradam as condições em que ambos praticam a sua arte. Quando a pressão urbana aumenta, o impacto deste desenvolvimento torna-se aparente. O limu que o Tio Henry lembra tão carinhosamente está desaparecendo. 

Hoje, com o apoio da ong local KUA, sem fins lucrativos, o tio Henry e seus parceiros do projeto no projeto 'Ewa Beach Limu Project' estão reunindo os sábios do limu e mestres das áreas através das ilhas para compartilhar, documentar e repassar o conhecimento ecológico tradicional e aumentar as conexões entre vários esforços de restauração. Mahalo Piha (mais profundos agradecimentos) para a Audubon, Toyota TogetherGreen e nossos generosos parceiros da fundação e da organização pela realização deste trabalho! 

Um ancião segurando uma Limu havaianaProteja o futuro, abraçando o passado - foto: Kim Moa

A perda da limu nativa acontece da mesma forma como a perda des práticas culturais havaianas e a perda do conhecimento ancestral. Reverter esse processo de co-extinção exigirá esforços eficazes e imediatos para a co-restauração. A necessidade é premente, porque o declínio do limu continua e os anciãos que detêm estes conhecimentos tradicionais estão envelhecendo, alguns hoje estão em seus 90 anos. 

Se tudo isso parece opressivo, esta história é realmente uma de esperança. Temos muito do que precisamos para voltar à abundância da limu nativa. Temos o conhecimento e a tecnologia hoje para desenhar e redesenhar as áreas urbanas repensando no escoamento urbano e preservando melhor a hidrologia natural do sistema. Também temos a opção, sempre que necessário, de manter as áreas rurais. No entanto, ambas as ações requerem recursos, vontade política e as vozes das comunidades aflitas dos coletores de limu, surfistas e outros prontos a unir esforços, e que entendem a conexão crítica entre a terra e o mar. Sim, nós! 

A próxima vez que você ver o Hawai'i,  representado por uma imagem de areia branca e mar azul, eu espero que você veja como eu vejo agora, e que não é retratado: a limu, os sábios anciãos e mestres que se importam com ele e com a comunidade de surfistas, cientistas, mergulhadores, pescadores e outras pessoas que lhes dão suporte. Será que o limu você não vê nessas fotos está prosperando? Ou desaparecendo? 

Essa resposta está sendo escrita hoje por todos nós. 

Para saber mais sobre KUA, visite KUAHawaii.org

Traduzido do The Inertia

Comentários

Galerias | Mais Galerias